Esta é a dúvida de muitos familiares, especialmente pelo alto custo mensal e pela boa saúde do idoso. Afinal, vale a pena fazer plano de saúde para idosos?

No Brasil, um plano de saúde para idosos custa, em média, R$ 1.500,00 por mês, o que corresponde a uma despesa anual de quase R$ 20.000,00. Devido ao alto custo, muitas famílias têm ficado em dúvida sobre a necessidade desse investimento, especialmente por que muitos idosos são saudáveis e autônomos, e não precisam de acompanhamento médico regular.

Alguns familiares, inclusive, cogitam fazer uma poupança em vez do plano de saúde, para que tenham uma reserva à disposição em caso de emergência.

Mas, o que será mais indicado: garantir o atendimento com antecedência ou pagar procedimento particular somente quando houver necessidade?

Confira nossa análise e compartilhe conosco se você acha que vale a pena fazer um plano de saúde para idosos!

#1 Planejamento Financeiro

Quando você contrata um plano de saúde, passa a considerar a mensalidade em sua despesa mensal fixa e ajusta seu orçamento a ela. Você conta com esse investimento todos os meses e, em caso de necessidade de atendimento médico, você está seguro a qualquer momento.

Sem o plano de saúde, você não precisa desembolsar esse valor todos os meses, mas fica exposto a riscos financeiros em caso de doença súbita ou acidentes.

#2 Plano de saúde para idosos X Particular

O custo anual médio de um plano de saúde para idosos é de R$ 20.000,00, valor que, a princípio, assusta um pouco.

Em contrapartida, se você considerar o custo particular de uma internação em um bom hospital, com exames e medicamentos, este valor é o suficiente para cerca de 30 dias apenas.

#3 Plano de saúde X Poupança

Quando confrontamos o investimento para saúde em poupança, o plano de saúde ainda oferece mais segurança, por vários motivos:

  • O dinheiro guardado durante tanto tempo é consumido rapidamente em procedimentos particulares;
  • É um investimento sem destino específico: se durante o ano, você identificar qualquer outra situação que pareça demandar este valor, você perderá sua reserva para saúde;
  • A maioria dos brasileiros não possui o hábito e nem disciplina suficiente para economizar dinheiro;
  • O rendimento da poupança é insignificante.

#4 Plano de saúde X SUS

Embora o SUS ofereça todos os tipos de procedimentos, inclusive os de alta complexidade, o serviço como um todo é considerado ineficaz devido à alta demanda: estima-se que mais de 150 milhões de brasileiros dependam exclusivamente do SUS. Além disso, dados da ANS indicam que, nos últimos dois anos, mais de 2,7 milhões de pessoas ficaram sem convênio médico e passaram a depender do SUS, devido à perda do emprego ou à incapacidade de pagamento devido ao reajuste dos planos.
 

Isso reflete em vários aspectos da saúde pública:

  • Demora no agendamento de consultas e exames, pois não há profissionais nem estrutura suficientes para atender a todos com agilidade
  • Atendimento inadequado, pois os profissionais têm menos tempo para atender cada paciente
  • Defeito nos equipamentos, devido à sobrecarga da capacidade
  • Falta de medicamentos

#5 Prevenção

Pessoas cobertas por plano de saúde tendem a realizar mais ações de prevenção, como consultas de rotina e exames preventivos.

Quando os pacientes dependem de atendimento particular, são mais resistentes às medidas profiláticas e procuram atendimento médico somente em caso de necessidade – geralmente, em estágio avançado, o que demanda tratamentos mais caros.

 

No entanto, uma das desvantagens do plano de saúde para idosos é o período de carência: cada operadora pode determinar a carência para os procedimentos do plano, desde que não ultrapassem os prazos definidos pela Agência Nacional de Saúde.

De acordo com a tabela da ANS, até mesmo consultas e exames simples podem levar 180 dias para serem liberados:

 

Tratando de saúde, prevenir é sempre melhor do que remediar. Por esse motivo, fazer um plano de saúde para o idoso pode ser mais vantajoso do que arcar com atendimento particular.

Caso esteja em dúvida, consulte algumas operadoras de planos de saúde, solicite o contrato e analise as cláusulas para saber se estão de acordo com as expectativas da família. Se possível, peça a opinião do próprio idoso: ele se sentirá importante e muito mais disposto a seguir um tratamento de saúde no futuro.

 

 

Read More

Segundo o IBGE, 11% das pessoas com depressão são idosos. Confira os principais sintomas da depressão em idosos e aprenda como ajudá-los na prevenção.

 

Nem só de boas memórias, sorrisos e sabedoria é feita a terceira idade. Envelhecer, infelizmente, é conviver rotineiramente com perda de entes queridos, surgimento de doenças, redução de renda e muitas vezes isolamento social. Esses fatores, combinados com fatores biológicos (hereditários), podem originar uma doença silenciosa que traz diversas consequências ruins: a depressão em idosos.

Preconceito e falta de conhecimento muitas vezes tornam mais difícil a identificação dos sintomas. Entretanto, o cuidado deve ser redobrado, uma vez que a depressão está entre as principais doenças mentais que atingem os idosos.

Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pessoas entre 60 e 64 anos de idade representam a faixa etária com maior proporção (11%) de diagnóstico de depressão. E este índice só vem aumentando com o passar dos anos.

Os fatores que podem estar acarretando no aumento da incidência da depressão em idosos são: aposentadoria e a consequente sensação de inutilidade, falta de realização profissional, redução de renda e dificuldades financeiras, isolamentos sociais, incidência de outras doenças e a morte de amigos e familiares.

Quem cuida (ou ajuda a cuidar) de idosos deve sempre ficar atento aos sinais de depressão, para que o  diagnóstico seja o mais breve possível. Confira os principais sintomas da depressão em idosos e, em seguida, aprenda como ajudá-los na prevenção.

Conheça os principais sintomas da depressão em idosos

Um dos maiores problemas da depressão na terceira idade é a dificuldade do diagnóstico, uma vez que os sintomas frequentemente são confundidos com preguiça, cansaço e alterações de humor característicos da idade.

No entanto, não tratar a doença adequadamente pode culminar em demência e até mesmo Alzheimer. Além disso, também é importante considerar que os sintomas podem ocasionar alimentação inadequada, sedentarismo, isolamento social, e muitas vezes até a falta de higiene. Esses fatores combinados podem não só gerar o surgimento de outras doenças, como também agravar àquelas já existentes.

Para conseguir identificar os sinais de depressão de maneira mais certeira, confira, abaixo, a lista com os principais sintomas.

  1. Humor depressivo durante a maior parte do dia, indicado por relato do idoso ou de terceiros;

  2. Diminuição drástica do interesse ou prazer em atividades antes prazerosas;

  3. Aumento ou diminuição incomuns do apetite,  perda ou ganho significativos de peso;

  4. Insônia ou sono excessivo;

  5. Fadiga ou perda de energia, agitação ou retardo psicomotor (capacidades cognitivas mais lentas).

  6. Sentimentos de inutilidade, culpa excessiva e inapropriada, “complexo de perseguição” ou medo exagerado de doenças graves;

  7. Redução na capacidade de concentração;

  8. Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio;

Os sintomas da depressão acarretam em sofrimento, prejuízos ocupacional e  social. Há situações em que eles podem ser causados por medicamentos, pelo uso de álcool ou por doenças neurológicas, infecciosas, metabólicas, endócrinas e cardiovasculares. Por isso é indispensável recorrer a um médico assim que os sintomas são identificados.

Como prevenir a depressão em idosos

Ainda que exista tratamento adequado para a depressão, prevenir sempre é a melhor opção. A melhor alternativa para evitar a doença, sem dúvidas, é incentivar os idosos à qualidade de vida generalizada, com uma rotina ativa e cultivar boas relações sociais.

Embora possa ser difícil para um idoso com saúde debilitada e situação financeira restrita sair de casa, há uma série de atividades possíveis. Entre elas estão leitura, frequentar cursos gratuitos, visitas a parques, ter encontros rotineiros com amigos e  participar de grupos de ginástica ou de dança de terceira idade na comunidade (muitas vezes gratuitas ou com baixo custo).

Lembre-se que o papel da família é fundamental tanto para prevenir, quanto para identificar os sintomas da depressão. Visitar, dar seu apoio, promover atividades que aumentem a autoestima e fomentem o convívio social são atitudes que podem transformar a vida de um idoso depressivo. Afinal, não é porque estão no fim de sua jornada, que a vida deles deve ser  que ser menos plena e feliz, não é mesmo?

Clique e veja mais mais dicas sobre como cuidar da saúde do idoso!

Read More

Já imaginou ter um negócio com garantia de receita todos os meses? Descubra o que é a Economia da Recorrência e conheça as empresas que já aderiram ao modelo!

 

A cada dia o mundo do empreendedorismo está mais cheio de novidades. Atualmente, um dos modelos de negócios que mais tem se destacado é a economia de recorrência, também conhecida no Brasil como clube de assinaturas. Este modelo baseia-se na oferta de acesso aos benefícios do produto ou serviço mediante o pagamento de uma mensalidade, em vez de realizar a venda do produto em si.

Provavelmente a empresa Netflix tenha surgido em sua mente como um exemplo deste novo modelo, e realmente é um dos melhores.  Porém, não é algo tão novo nem exclusivo, apenas vem sendo explorado em novos segmentos.

Este é o mesmo formato praticado por academias de ginástica, escolas e estacionamentos: o cliente paga mensalidades somente enquanto usa os serviços, sem períodos de carência, de fidelidade ou multas por quebra de contrato.

Para o consumidor, esse modelo de contratação oferece muitas vantagens. Além da simplicidade da adesão ou do cancelamento, o cliente sente-se mais seguro em tomar a decisão de contratar, ao saber que não precisará se comprometer em manter um serviço que não lhe agrade. Se não gostou, basta cancelar e o compromisso com os pagamentos também é cessado no ato.  Ou seja: a relação comercial torna-se mais justa e transparente.

Que vantagens a Economia da Recorrência oferece às empresas?

Além de muitas vantagens aos clientes, as empresas também saem ganhando muito com a Economia da Recorrência. Uma das principais vantagens é a possibilidade de prever com maior assertividade os faturamentos futuros.

Isso é possível devido à empresa saber facilmente a quantidade de assinantes que terá no mês seguinte. Previsibilidade essa que se torna praticamente impossível no comércio tradicional. Assim, surpresas desagradáveis, como faturamentos muito abaixo do esperado e verba insuficiente para arcar com as contas mensais da empresa, raramente acontecem.

Os custos das mensalidades, geralmente baixos, também contribuem para a prosperidade desse modelo de negócio. Quanto menor o tamanho do investimento, proporcionalmente menor é o tamanho do esforço que o cliente faz para tomar sua decisão de contratação.

Por exemplo, considere que o cliente está decidindo entre comprar uma esteira elétrica que custa R$ 2 mil reais ou inscrever-se em uma academia que custe R$100 mensais,  lhe ofereça ampla variedade de equipamentos e a liberdade de cancelar seu contrato sem multas ou custos extras. Há muito mais chances de ele escolher a segunda opção.

Por fim, mas não menos importante, uma das maiores vantagens dos contratos por assinaturas é que manter a fidelidade dos clientes dá bem menos trabalho – e custa bem menos – que atrair novos. Manter relacionamento, motivação e incentivo aos clientes fiéis custa, em geral, 5 vezes menos que todos os investimentos necessários para atrair um cliente novo: visibilidade da marca, anúncios, promoções, comissões de vendas, entre outros.

Quais os segmentos de negócios que podem adotar a Economia da Recorrência?

Amplamente democráticos, os clubes de assinaturas são aplicáveis a praticamente todos os modelos de negócios. Confira se os insights abaixo são aplicáveis ao seu negócio.

Para quem trabalha com prestação de serviços, é possível criar uma mensalidade que garanta acesso ilimitado aos serviços durante o período contratado. Infoprodutores e empresas de educação, por sua vez, podem seguir o modelo da Netflix e cobrar uma mensalidade para acesso ilimitado ao seu conteúdo, em uma área restrita com senha.

Já quem trabalha com produtos físicos, pode inspirar-se nas mistery box, que cobram um valor fixo mensal para enviar um produto surpresa aos seus clientes. Há empresas desse estilo nos mais diversos nichos: cervejas artesanais, cafés especiais, produtos glúten free, maquiagem, acessórios da cultura nerd, e muito mais.

Que tal conhecer o modelo de receita recorrente no mercado de teleassistência para idosos? Considere que a economia da recorrência é uma tendência muito forte, além de garantir um faturamento recorrente e uma vida financeira mais saudável para sua empresa.

Quer saber mais? Entre em contato com a Tecnosenior agora mesmo!

Read More