Golden Hour: Você sabe o que é?

Golden Hour: Você sabe o que é?

A Golden Hour ou “Hora de Ouro” é uma teoria criada pelo cirurgião americano R Adams Coley, cujo  propósito baseia-se em oferecer ao paciente o melhor atendimento de emergência possível. O conceito propõe que, na primeira hora de cuidados efetivos, uma pessoa que sofreu um trauma tem maiores chances de sobrevivência do que após esse período.

Queda em idosos: conheça os principais fatores de risco e saiba como evitá-los

A Golden Hour, há muitos anos, tem sido o guia para orientação no socorro de vítimas de trauma. O conceito permanece como padrão global para decisão sobre os tempos que devem ser respeitados na abordagem e salvamento de uma pessoa.

Entretanto, sabe-se que existem alguns fatores que podem influenciar no atendimento a um chamado, levando a grandes variações na agilidade de resposta. Um desses fatores é o tempo gasto pela vítima para solicitar o socorro. Se for uma queda de idoso, por exemplo, a situação ainda é mais crítica, pois é possível que a vítima fique impossibilitada de levantar-se e que só receba socorro após ser encontrada por alguém.

Tecnologias à favor da Golden Hour

Por conta disso muitas tecnologias vem sendo desenvolvidas para melhorar a resposta efetiva aos chamados de emergência, garantindo ao paciente um atendimento o mais rápido possível. Uma destas tecnologias, presente nos Estados Unidos há cerca de 20 anos, chegou ao Brasil recentemente e promete revolucionar o atendimento de emergência.

O Sistema de Alerta Médico é um equipamento que consiste em um botão de emergência e um console conectado a uma linha telefônica, que abre um canal de voz bidirecional com uma central de atendimento que funciona 24 horas por dia. A função principal dessa central é a de atender aos chamados feitos através do equipamento, e direcionar ajuda ao usuário sempre que solicitado.

O Sistema de Alerta Médico ainda é uma novidade no Brasil, mas estima-se que já existam mais de dez mil usuários do equipamento sendo atendidos por diversas centrais. Esse número tende a ampliar-se ainda mais com as previsões de aumento no número de idosos nos próximos anos e com a utilização do produto por outros segmentos, como gestantes e pessoas em recuperação.

Podemos incluir ainda dentro do pacote de novas tecnologias os sensores de queda, sincronizados com o equipamento, são capazes de identificar e reportar as quedas para as centrais de atendimento, mesmo se o usuário perder a consciência ou não puder se mexer. O sensor combina um algoritmo complexo para determinar se o usuário realmente caiu antes de enviar o sinal de alerta para a central, e também já se encontra disponível no país.

Guilherme Not

One comment

  1. Pingback: Prevenção de quedas em idosos: saiba como evitar acidentes | Tecnosenior

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *