No Brasil, um plano de saúde para idosos custa, em média, R$ 1.500,00 por mês, o que corresponde a uma despesa anual de quase R$ 20.000,00. Devido ao alto custo, muitas famílias têm ficado em dúvida sobre a necessidade desse investimento, especialmente por que muitos idosos são saudáveis e autônomos, e não precisam de acompanhamento médico regular.

Alguns familiares, inclusive, cogitam fazer uma poupança em vez do plano de saúde, para que tenham uma reserva à disposição em caso de emergência.

Mas, o que será mais indicado: garantir o atendimento com antecedência ou pagar procedimento particular somente quando houver necessidade?

Confira nossa análise e compartilhe conosco se você acha que vale a pena fazer um plano de saúde para idosos!

#1 Planejamento Financeiro

Quando você contrata um plano de saúde, passa a considerar a mensalidade em sua despesa mensal fixa e ajusta seu orçamento a ela. Você conta com esse investimento todos os meses e, em caso de necessidade de atendimento médico, você está seguro a qualquer momento.

Sem o plano de saúde, você não precisa desembolsar esse valor todos os meses, mas fica exposto a riscos financeiros em caso de doença súbita ou acidentes.

#2 Plano de saúde para idosos X Particular

O custo anual médio de um plano de saúde para idosos é de R$ 20.000,00, valor que, a princípio, assusta um pouco.

Em contrapartida, se você considerar o custo particular de uma internação em um bom hospital, com exames e medicamentos, este valor é o suficiente para cerca de 30 dias apenas.

#3 Plano de saúde X Poupança

Quando confrontamos o investimento para saúde em poupança, o plano de saúde ainda oferece mais segurança, por vários motivos:

  • O dinheiro guardado durante tanto tempo é consumido rapidamente em procedimentos particulares;
  • É um investimento sem destino específico: se durante o ano, você identificar qualquer outra situação que pareça demandar este valor, você perderá sua reserva para saúde;
  • A maioria dos brasileiros não possui o hábito e nem disciplina suficiente para economizar dinheiro;
  • O rendimento da poupança é insignificante.

#4 Plano de saúde X SUS

Embora o SUS ofereça todos os tipos de procedimentos, inclusive os de alta complexidade, o serviço como um todo é considerado ineficaz devido à alta demanda: estima-se que mais de 150 milhões de brasileiros dependam exclusivamente do SUS. Além disso, dados da ANS indicam que, nos últimos dois anos, mais de 2,7 milhões de pessoas ficaram sem convênio médico e passaram a depender do SUS, devido à perda do emprego ou à incapacidade de pagamento devido ao reajuste dos planos.
 

Isso reflete em vários aspectos da saúde pública:

  • Demora no agendamento de consultas e exames, pois não há profissionais nem estrutura suficientes para atender a todos com agilidade
  • Atendimento inadequado, pois os profissionais têm menos tempo para atender cada paciente
  • Defeito nos equipamentos, devido à sobrecarga da capacidade
  • Falta de medicamentos

#5 Prevenção

Pessoas cobertas por plano de saúde tendem a realizar mais ações de prevenção, como consultas de rotina e exames preventivos.

Quando os pacientes dependem de atendimento particular, são mais resistentes às medidas profiláticas e procuram atendimento médico somente em caso de necessidade – geralmente, em estágio avançado, o que demanda tratamentos mais caros.

 

No entanto, uma das desvantagens do plano de saúde para idosos é o período de carência: cada operadora pode determinar a carência para os procedimentos do plano, desde que não ultrapassem os prazos definidos pela Agência Nacional de Saúde.

De acordo com a tabela da ANS, até mesmo consultas e exames simples podem levar 180 dias para serem liberados:

 

Tratando de saúde, prevenir é sempre melhor do que remediar. Por esse motivo, fazer um plano de saúde para o idoso pode ser mais vantajoso do que arcar com atendimento particular.

Caso esteja em dúvida, consulte algumas operadoras de planos de saúde, solicite o contrato e analise as cláusulas para saber se estão de acordo com as expectativas da família. Se possível, peça a opinião do próprio idoso: ele se sentirá importante e muito mais disposto a seguir um tratamento de saúde no futuro.