Idosos que não se adaptam às novas tecnologias

As novas tecnologias têm ganhado cada vez mais espaço nas últimas décadas e os idosos, que são de outra geração e adaptados a costumes completamente opostos aos que conhecemos hoje, precisam conhecer, entender e aprender, se assim desejarem, aquilo com o que os mais jovens praticamente já nascem familiarizados. É quase que uma segunda alfabetização. Certamente um grande desafio que para muitos é interessante, mas para outros, insignificante. Será que é possível ignorar a presença constante da tecnologia no dia a dia?

O contato com a tecnologia, mesmo que mínimo, é inevitável

O idoso pode optar por não possuir ou não usar smartphones ou computadores de forma ativa, mas certamente já participou de alguma chamada por vídeo pelo intermédio de algum familiar ou viu algum conteúdo através de alguma tela conectada à internet. Em grande parte dos casos, a resistência à tecnologia está relacionada com o receio de não aprender a usar os aparelhos que parecem frágeis e de difícil manuseio para quem nunca teve contato com algo parecido, afinal, não fazem 30 anos que um telefone celular que mal realizava ligações e enviava mensagens SMS era um artigo raro. 

Modelos desenvolvidos especialmente para idosos facilitam o acesso à tecnologia

Para os que realmente não querem ou não conseguem aprender a usar os aparelhos convencionais, uma boa notícia: Existem opções desenvolvidas especificamente para esse público, como os celulares para idosos, que possuem layout simplificado, contam com botões grandes e são de fácil manuseio.

A tecnologia pode trazer diversos benefícios para o idoso, como facilitar a comunicação com amigos e familiares, acessar informações de seu interesse com facilidade e rapidez, entre outras. Além disso, os aparelhos eletrônicos contam com funções que auxiliam inclusive nos cuidados com a saúde e a segurança do idoso, com funções como lembretes para tomar remédio, por exemplo. 

Tecnologias assistivas proporcionam cuidado de forma passiva 

Se não houver mesmo jeito de convencer o idoso a aproveitar os benefícios que a tecnologia como a dos smartphones pode oferecer, ainda há outra opção que possibilita que ele seja monitorado e que eventualmente consiga se comunicar com contatos específicos através de um aparelho de manuseio extremamente simples.

Estamos falando do VIDAFONE, um sistema de monitoramento pessoal para idosos que funciona através de um botão de emergência utilizado junto ao corpo e que pode ser acionado com um simples toque em caso de necessidade. Ao ser ativado, o dispositivo, que é pequeno e discreto, contata imediatamente uma central de emergência 24h por onde um atendente, ao se comunicar com o usuário, irá verificar a situação e agir de acordo com a necessidade do momento, podendo solicitar ajuda médica ou simplesmente comunicar os familiares.

Os dispositivos possuem configurações específicas dependendo do modelo contratado: fixo, que funciona ligada à linha telefônica fixa ou móvel, que funciona com um chip de celular. A grande vantagem é que o idoso pode ter uma rotina como a de costume, com a garantia de que estará amparado em caso de emergência. 

Compartilhar
Tire suas dúvidas