Independência e segurança para idosos que moram sozinhos

Chegar na terceira idade com saúde e disposição faz com que os idosos optem cada vez mais por manter a rotina independente com a qual estão acostumados. Nesse sentido, não são raros os casos de idosos que moram sozinhos ou ficam desacompanhados por longos períodos. Segundo o IBGE, 35% dos idosos brasileiros vivem sozinhos em suas casas, índice que triplicou nos últimos 20 anos. Ter essa autonomia e independência é, sem dúvidas, ótimo para a autoestima do idoso. Porém, é necessário que a família não deixe de monitorá-lo sempre que possível, já que a velhice quase sempre vem acompanhada por sintomas como lentidão nos movimentos e no pensamento, atrasos na fala e perdas na audição e na visão, entre outros sinais de que necessitam mais atenção.  

Pesquisadores da Universidade de Chicago, nos EUA, descobriram que idosos que vivem sozinhos têm o risco de morte elevado em até 14%. Parte desse índice está relacionado à depressão causada pela solidão de idosos que são abandonados pelos filhos, mas também há os casos em que o idoso sofre acidentes domésticos como quedas, e desmaios e, por estarem desacompanhados, não são amparados imediatamente. 

3 soluções para proporcionar segurança para o idoso que vive sozinho 

#1 Câmeras de segurança

Instalar câmeras de segurança para monitorar a rotina do idoso  pode ser uma solução eficaz quando a família não pode estar sempre presente. Porém, acaba sendo um tanto invasivo, além de pouco prático, já que seria necessário monitorar as imagens frequentemente para garantir que o idoso esteja de fato seguro. Além disso, seria necessário instalar mais de uma câmera nos diferentes ambientes da residência, o que representa um custo consideravelmente elevado

#2 Celular para idosos

Grande parte dos idosos não se adapta facilmente às novas tecnologias ou simplesmente não tem interesse por smartphones por acharem de complicado manuseio. Uma opção mais simples e acessível são os celulares para idosos. Com botões físicos graúdos, os telefones contam com tecla de SOS para casos de emergência, lanterna e botões físicos bem grandes, para facilitar a digitação de números e acessar facilmente os itens básicos. O revés é que, no caso de acidentes como quedas ou desmaios, por exemplo, é bem provável que o idoso não consiga acessar o aparelho imediatamente.  

#3 Sistemas de monitoramento pessoal

A tecnologia conhecida como Teleassistência proporciona que o idoso tenha uma rotina independente, sem interferir na sua autonomia e sem invadir a sua privacidade. Através de um botão de emergência que pode ser usado junto ao corpo ininterruptamente o idoso consegue pedir ajuda a qualquer momento do dia ou da noite com um simples toque. Quando o botão é acionado, uma ligação é realizada automaticamente para uma central disponível 24 horas por dia por onde um profissional irá realizar o atendimento e agir de acordo com a gravidade da situação: Desde informar familiares sobre a ocorrência até auxiliar no acionamento dos serviços médicos. A grande vantagem dessa opção em relação às outras é que ela é acessível em qualquer momento do dia, como durante o banho, por exemplo, que é um momento em que o idoso pode estar mais suscetível a acidentes como as quedas, e dificilmente teria acesso a outra forma de pedir ajuda. Na Tecnosenior esse serviço é comercializado como Vidafone

 

Compartilhar
Tire suas dúvidas