Número de óbitos de idosos em casa aumenta no Rio de Janeiro

Em 2020, o número de idosos mortos na cidade do Rio de Janeiro aumentou  em 57% em relação ao mesmo período nos últimos três anos. A cada 4 mortes por COVID-19 registradas, 3 foram de pessoas com mais de sessenta anos. Porém, a infecção pelo Coronavírus não foi a única culpada por esse aumento no percentual. Também aumentou significativamente o número de óbitos por hipertensão, tumores (cânceres) e diabetes. 33,5% das mortes foram por causas não definidas.  Especialistas apontam falhas no sistema de saúde e de assistência, especialmente na atenção primária, como os principais motivos para esse aumento. 78% dos idosos morreram fora de hospitais. A falta de testes para a COVID-19 e de atendimentos em casos graves também são apontados como fatores que interferiram nessa realidade. 

Chama a atenção o alto número de mortes por causas não relacionadas diretamente à pandemia. Tanto a hipertensão quanto a diabetes são causas consideradas evitáveis de mortalidade e internação.  Um dos fatores que pode ter interferido no aumento de vítimas fatais dessas doenças, é o isolamento social. Evitando ir até hospitais e consultórios médicos, e até mesmo sem contato físico com os familiares, muitos idosos também deixaram de cuidar da saúde, ou ao menos adiaram procedimentos e tratamentos importantes. 

VIDAFONE: Monitoramento em tempo integral para os idosos que ficam sozinhos

A pandemia e o consequente isolamento social, recomendado especialmente para os idosos, que compõem o principal grupo de risco, evidenciou uma realidade: A dos idosos que moram sozinhos ou ficam desacompanhados durante parte do dia. Muitos têm plenas condições de se movimentar e realizar as atividades do dia-a-dia sem precisar de ajuda, mas o problema é que, com a idade avançada, aumentam os riscos para imprevistos súbitos, como quedas ou ataques cardíacos, por exemplo. 

Os motivos para os idosos estarem sozinhos são variados, mas a preocupação por parte de familiares é quase unânime. Muitas vezes a solução encontrada é a contratação de cuidadores profissionais ou a internação em Residência de Longa permanência. Porém, nem sempre é o caso e, no momento em que estamos vivendo, nem é o indicado.

Uma solução prática e eficaz são os Sistemas de Monitoramento de Idosos. O serviço, chamado VIDAFONE, consiste basicamente em um botão de emergência usado junto ao corpo que se comunica com uma central de atendimentos quando acionado. Essa comunicação é feita através de linha telefônica fixa ou móvel, de acordo com o modelo escolhido pelo cliente. No outro lado da linha, um atendente conversa com o usuário, identifica a situação e age conforme necessário: Seja acionando familiares ou serviços médicos, seja dando recomendações diretamente. É uma ferramenta muito segura e eficaz, que proporciona que o idoso tenha a segurança de estar sendo cuidado mesmo quando está sozinho. 

Saiba mais sobre o Vidafone clicando aqui.

Compartilhar
Tire suas dúvidas