Um novo conceito de residenciais para idosos

A possibilidade de mudar-se para um residencial para idosos soa, na maioria das vezes, como uma situação desagradável e é até interpretada como abandono por parte de filhos e familiares. Porém, esse conceito torna-se obsoleto uma vez que, hoje em dia, muitos desses locais contam com estrutura e atividades pensadas exclusivamente no bem-estar do idoso. Ambientes de socialização, que proporcionam, além de tranquilidade e segurança, lazer e os mais variados estímulos cognitivos são cada vez mais procurados por idosos que não querem viver sozinhos.

O conceito “Assisted Livings” surgiu nos Estados Unidos e tem se espalhado pelo mundo como uma ótima opção de moradia mesmo para os idosos que não requerem cuidados médicos em tempo integral.   Profissionais como fisioterapeutas, médico, enfermeiros, e psicólogos acompanham de perto a rotina dos idosos. Ou seja, caso venha a surgir algum problema de saúde, como um princípio de pneumonia ou uma infecção urinária, por exemplo, o idoso será imediatamente atendido por esses profissionais,garantindo que não fique sentindo dores ou sofrendo por muito tempo, o que também seria um risco para o agravamento de doenças. 

Os internos ainda têm acesso a experiências como aulas de yoga, reiki, pilates, hidroginástica, além de outras atividades que podem ser escolhidas de acordo com o interesse de cada um. As atividades cognitivas, sociais e de lazer ajudam na manutenção e evolução psíquica e motora dos residentes, além de tornar os dias mais alegres e divertidos. 

Botão de emergência: Segurança redobrada nos residenciais para idosos

Ao contrário das casas repouso clássicas, o idoso conta com a possibilidade de ter “vida própria” ao mesmo tempo em que usufrui dos serviços ofertados pelo residencial. Eles podem visitar familiares, frequentar  restaurantes, lojas, cinema, teatro e até mesmo viajar. É claro que é preciso ter condições de saúde para esse tipo de atividade.

Em algumas instituições são usados mecanismos tecnológicos para proporcionar ainda mais segurança para os moradores: Os botões de emergência permitem que o idoso consiga pedir ajuda imediata em qualquer situação que represente um risco. O dispositivo pode ser usado como pulseira ou pingente durante todo o dia, e só será acionado quando e se houver necessidade. Quando a ação é executada, uma chamada é imediatamente realizada para uma Central de Atendimentos por onde um profissional especializado irá se comunicar com o usuário do serviço e agir de acordo com a gravidade do caso. Como o idoso está em uma residência geriátrica, provavelmente a administração será informada para que possa verificar a situação. É uma forma de complementar o cuidado e garantir atenção mesmo quando o idoso estiver sozinho, como durante o banho ou em passeios desacompanhado, por exemplo.

Para saber mais sobre como  a tecnologia pode complementar os cuidados com idosos, acesse a página da Tecnosenior clicando aqui .

Compartilhar
Tire suas dúvidas