Monitoramento de idosos: pulseira de emergência ou sensor de queda

O conceito dos Sistemas de Emergência Pessoal surgiu por volta dos anos 70 nos Estados Unidos e pretendia reduzir o tempo das internações hospitalares e proporcionar tranquilidade para cuidadores e familiares. Na época, os equipamentos para monitoramento de idosos eram muito simples, já que sua única função era promover o monitoramento de idosos, realizando a comunicação de emergência entre os usuários e a central de monitoramento 24 horas.

Desde então, a tecnologia avançou muito. Os hábitos e necessidades da população idosa também são outros, oportunizando o surgimento de novos dispositivos e acessórios.

O Monitoramento de Idosos no Brasil

Atualmente no Brasil, existem dois principais sistemas de monitoramento para idosos: o PERS 4200, para uso exclusivo dentro de casa, e o Mini Rastreador IGO, para uso fora de casa.

O PERS 4200 é um console conectado à linha telefônica fixa do usuário e possui diversos acessórios móveis compatíveis, por onde o idoso realiza o pedido de socorro. Os acessórios de teleassistência mais conhecidos são a Pulseira de Emergência e o Sensor de Queda.

Mas qual a diferença entre eles?

Como funciona a Pulseira de Emergência para Idosos?

O nome técnico da pulseira de emergência é Transmissor DXS LRC e, geralmente, acompanha o kit do PERS 4200. Embora seja mais conhecido como pulseira de emergência, é um botão que pode ser utilizado tanto no pulso – como uma pulseira antialérgica, por exemplo -, quanto no pescoço, como pingente em um cordão antienforcamento.

É um equipamento à prova d´água, permitindo que o usuário o utilize-o durante todo o dia, inclusive durante o banho de chuveiro, banheira ou piscina.

Em caso de necessidade, o idoso deve pressionar o botão na pulseira/pingente e, em poucos segundos, o alerta de emergência é enviado para a Central de Monitoramento 24h, que identifica a ocorrência e aciona os familiares e demais contatos cadastrados previamente.

Como funciona o Sensor de Queda?

Conforme o nome sugere, este equipamento tem uma funcionalidade extra muito útil no cuidado com os idosos: a detecção de queda. O Sensor de Queda, que também opera em junção com o PERS 4200, pode ser considerado um substituto à pulseira de emergência ou, idealmente, um cuidado adicional. Cada PERS 4200 permite o uso de até 16 acessórios ao mesmo tempo, que devem ser contratados à parte.

Além disso, o sensor de queda também conta com um botão de emergência, mas seu principal diferencial é realmente a capacidade de enviar o comando de socorro após a ocorrência de uma queda – mesmo sem ter pressionado o botão.

Para garantir a precisão do alerta e a segurança do usuário, o Sensor de Queda é programado por uma sequência de algoritmos, determinados por microequipamentos internos, baseado em cálculos de altura, velocidade, impacto e ângulo.

Diferenças entre a Pulseira de Emergência e o Sensor de Queda

  1. Kit PERS

Enquanto a Pulseira de Emergência acompanha o kit PERS, o Sensor de Queda deve ser contratado separadamente.

  1. Modo de uso

A Pulseira de Emergência possui duas opções de uso: pulseira ou pingente. Para o Sensor de Queda, há somente a opção de pingente – já que o movimento brusco dos braços poderia prejudicar a sensibilidade da detecção.

  1. Resistência à água

A pulseira de emergência é à prova d’água, possibilitando ao idoso tomar banho, pegar chuva e até nadar com ele. O Sensor de Queda é um equipamento somente resistente à água, ou seja, também pode ser utilizado durante o banho ou na chuva, mas não pode ser submerso.

  1. Alerta de Emergência

Para chamar ajuda com a Pulseira de Emergência, o botão deve ser pressionado obrigatoriamente. Com o Sensor de Queda, se o idoso cair e perder a consciência antes de conseguir pressionar o botão, o alerta é enviado automaticamente, garantindo o atendimento.

E o Mini Rastreador IGO?

O IGO também é um sistema de monitoramento de idosos à distância, porém, com o acréscimo da função de rastreamento pessoal. Com ele, os familiares podem monitorar a localização do idoso em tempo real e são avisados quando ele sai de um perímetro seguro.

Diferente da Pulseira de Emergência e do Sensor de Queda, o IGO não depende do PERS 4200, nem de uma linha telefônica fixa para funcionar. Ele opera por meio da rede celular e precisa somente de um chip GSM. O equipamento possui um botão de emergência, que pode ser pressionado para chamar ajuda, e também tem função Sensor de Queda, capaz de detectar se o usuário cair e chamar ajuda mesmo sem que o botão seja pressionado.

Aqui mesmo no nosso blog você confere tudo sobre o Mini Rastreador IGO.

Assista abaixo ao vídeo sobre o IGO:

Como você pôde ver, há diversas opções para o monitoramento de idosos e, mesmo com tantas funções diferentes, todas elas são muito eficazes. Você só precisa identificar qual a necessidade de uso do seu caso (ou de seu familiar) e escolher o Sistema de Emergência ideal para o idoso.

Quer saber mais sobre como a teleassistência pode lhe ajudar? Solicite uma visita demonstrativa agora mesmo! Ligue para (51) 3018-6950 ou envie uma mensagem no WhatsApp para (51) 99998-0245.