Tecnologias assistivas

idosos e tecnologia

Idosos e tecnologia: quebrando a barreira da tecnologia

Quem pensa que até hoje os idosos estão rechaçando smartphones e evitando os computadores, está muito enganado. Eles não só consomem a tecnologia, como compram por meio da internet e já estão dentro do conceito mobile only, onde tudo é feito pelo celular, sem a necessidade de abrir o computador. Segundo relatório Consumer Generations, da Tetra Pak, divulgado no ano passado, o poder de compra do consumidor de mais de 60 anos deve superar 30 trilhões de reais em todo mundo em 2020. E foi esse mesmo relatório que apontou que 43% dos pesquisados compra online e 23,9% via smartphone. As fatias são bem representativas se considerarmos o cenário total de compradores online, que é de 41% da população, de acordo com um estudo da PwC. Ou seja, idosos e tecnologia estão, sim, juntos.

Estes dados fazem cair por terra a ideia de que a maturidade é avessa às tecnologias ou é impedida de prosseguir no mercado de trabalho devido a elas. Além disso, os números apontam oportunidades que estão sendo inexploradas pelas empresas. Três em cada 10 idosos sente falta de produtos feitos para eles – sua empresa está de olho nesse mercado?

De acordo com levantamento da Serasa Experian, em 2005, metade dos idosos que residiam no Brasil fazia parte da classe média e usufruia de boas condições de vida. Essa classe está aproveitando a velhice para voltar a estudar, investir em lazer ou voltar para o mercado de trabalho.

Outra pesquisa realizada em 2016 pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com idosos acima de 60 anos mapeou o estilo de vida dessa população e a relação entre idosos e tecnologia. A pesquisa mostrou que mais da metade dessas pessoas (53,9%) acessa a internet, sendo que 39,3% a utilizam diariamente e dois em cada dez (19,1%) usam para compras online. Os eletroeletrônicos (51,2%), eletrodomésticos (43,1%) e viagens (41,9%) são os itens mais comprados pela internet. O levantamento identificou, ainda, que o uso de smartphones para se conectar entre os idosos já é maior do que o de aparelhos mais tradicionais: 61,1% utilizam os smartphones, 53,6% usam os computadores tradicionais de mesa, 37,7% o notebook e 11,4% o tablet.

O smartphone, mesmo sendo o principal meio utilizado para se conectar, ainda possui poucos aplicativos. Praticamente cinco em cada dez pessoas entrevistadas (47,9%) possuem celular, mas não usam nenhum app no dia a dia, contra 27% que usam. Os mais frequentes são os de transações bancárias (11,8%), serviços de transporte individual (8,4%) e de viagens (6,3%). Observar o quanto eles estão abertos às transações bancárias, sem medo de fraudes, indica um potencial de utilização da tecnologia muito grande.

O uso da internet para relacionamento com familiares (62,9%), amigos (59,8%), a busca por notícias sobre economia, política, esportes e moda (47,8%), e informações sobre produtos e serviços (43,0%) figuram entre os principais motivos de navegação. Entre as redes sociais e aplicativos de celular mais utilizados pelas pessoas da terceira idade estão o Facebook (77,3%), o WhatsApp (73,5%) e o Youtube (39,8%).

Vale ressaltar que estes dados são de 2016. Em dois anos, muito possivelmente os números sofreram um aumento bem significativo.

Idosos e tecnologia: empresas de visão investem nesse mercado

Contra fatos, não há argumentos. Visto isso, empresas mais atentas a este mercado estão rentabilizando na cada vez maior proximidade entre idosos e tecnologia.

É o caso de empresas de teleassistência que oferece sistemas de emergência pessoal e tecnologias assistivas para o monitoramento de idosos. Ferramentas que poderiam ser incômoda para alguns, mas que são vistas como aliadas da terceira idade quando observadas pelo panorama da segurança e da autonomia. Afinal, o maior medo dos idosos, apontado em diversas pesquisas, é a solidão. Estar próximo à família, mesmo que remotamente, afasta essa preocupação.

Na Biblioteca do Parque Villa Lobos, gerenciada pela SP Leituras, frequentemente há aulas para a terceira idade aprender a mexer em seus smartphones e o resultado que se observa é que eles não só saem de lá aptos a usar todos os recursos que o telefone oferece, mas descobrem nele oportunidades de relacionamento. Aprendem a se comunicar com outros membros de sua geração para troca de ideias, passeios, viagens e todo o entretenimento que é o que as pesquisas mais apontam como objetivo de consumo dessa faixa de idade.

A utilização do celular como forma de atualização e busca por notícias – o segundo maior motivo de uso da internet pelos mais velhos -, faz com que surjam portais como o 60 ou +, focados em oferecer informações específicas para este público de forma que eles se sintam representados na internet. Se eles estão consumindo notícias por este meio, nada mais justo do que encontrar opções feitas para eles, assim como eles desejam que existam produtos que sigam o mesmo preceito.

Outro exemplo é o Hype60+, que nasceu de um grupo digital com mais de nove mil seguidores acima dos 60 anos e hoje presta consultoria de marketing especializada no mercado sênior, ajudando companhias a criar serviços, produtos e experiências para este público. A iniciativa é importante porque a terceira idade, segundo pesquisas, não se sente representada na publicidade. Provavelmente isso inclui também marcas, produtos e eventos.  Já passou da hora das empresas buscarem ajuda para atender a este anseio.

E estes são só alguns exemplos de como o mercado – mais antenado – está reagindo a essa ascensão da terceira idade na tecnologia, porém ainda há muito a se explorar!

Continue Reading
Os Sistemas de Emergência Pessoal podem interferir no Marcapasso

Para quem usa marcapasso, as portas giratórias podem significar risco de vida. Será que os Sistemas de Emergência Pessoal podem interferir no Marcapasso?

Essa é uma dúvida muito comum entre os clientes dos sistemas de teleassistência, já que os usuários de marcapasso são orientados a abdicar de certos tipos de equipamentos eletrônicos, a fim de evitar interferência. Nesse caso, será que os Equipamentos de Emergência Pessoal são capazes de causar interferência no marcapasso?

Antes de responder a essa pergunta, vamos explicar como funcionam esses dois equipamentos.

Como o marcapasso funciona?

O marcapasso é um dispositivo eletrônico implantado no tórax e conectado ao coração de pacientes com arritmia ou algum tipo de insuficiência cardíaca que decorra na redução do ritmo dos batimentos. Sua função é regular e estimular, artificialmente, os batimentos cardíacos.

Seu sistema inclui um gerador de pulsos elétricos, um eletrodo e um programador e, para evitar interferência e comprometimento da sua função, é recomendado evitar a proximidade ou o uso de equipamentos que emitam atividades eletromagnéticas.

Que tipo de equipamentos podem interferir no marcapasso?

Algumas pessoas acreditam que o uso do marcapasso impede o manuseio de aparelho microondas, celular e até chuveiro elétrico, enquanto pesquisadores afirmam que os modelos atuais destes equipamentos não possuem componentes magnéticos em seu sistema.

Entretanto, a orientação médica é sempre conferir a compatibilidade do marcapasso com o equipamento em questão. Caso haja necessidade de usá-los, é recomendado que seja por um curto período, afastando-se rapidamente do perímetro de emissão da radiação – em média, dois metros.

Para algumas situações específicas, como é o caso das portas giratórias em bancos e dos portais detectores de metal dos aeroportos, o portador de marcapasso deve apresentar documento que comprove sua condição e solicitar o direito ao acesso por uma entrada alternativa. Exames de ressonância magnética também são proibidos.

Os Sistemas de Emergência Pessoal podem interferir no marcapasso?

Por via de regra, não.

O PERS 4200, um dos mais populares sistemas de emergência pessoal, consiste em um console conectado à linha telefônica fixa do usuário e pode ficar em um cômodo afastado do portador do marcapasso. Além disso, não há estruturas magnéticas em sua composição.

No entanto, a comunicação do PERS 4200 com seus acessórios (como a pulseira de emergência e o sensor de queda) ocorre por radiofrequência, que, em tese, poderia interferir no marcapasso. Neste caso, é preciso consultar o médico no intuito de identificar se a frequência utilizada pelo marcapasso implantado é afetada pela frequência utilizada pelos sistemas de emergência pessoal (que atuam na faixa de 315 MHz).

Para os Sistemas de Emergência Pessoal que operam pela rede celular (GSM), como o Mini Rastreador Pessoal IGO, a recomendação sugerida é evitar o uso do equipamento junto ao tórax – embora sejam mínimas as chances de interferência com este tipo de dispositivo.

Benefícios dos Sistemas de Emergência Pessoal usados em conjunto com o marcapasso

Ainda que sejam raros os episódios de falhas em marcapassos, esses eletrônicos não estão imunes às intermitências e danos. Portanto, para evitar consequências graves decorrentes de uma irregularidade com o dispositivo de situações que possam representar risco de vida para o usuário, é importante considerar um plano de contingência.

Os Sistemas de Emergência Pessoal, por exemplo, possibilitam que o usuário chame ajude em caso de emergência: ao pressionar apenas um botão, uma central 24 horas especializada atende o chamado e, ao identificar a necessidade, executa o plano de atendimento – como contatar familiares, plano de saúde ou ambulância.

Ou seja: além de não provocar interferência no funcionamento do marcapasso, os Sistemas de Emergência Pessoal podem ser muito eficazes atuando de forma complementar no cuidado aos pacientes que utilizam marcapasso. Dessa forma, em caso de falhas no marcapasso ou de acidentes com o usuário, o serviço de teleassistência é capaz de proporcionar socorro, especialmente quando não há ninguém por perto para prestar socorro.

Quer saber mais sobre como a teleassistência pode lhe ajudar? Solicite uma visita demonstrativa agora mesmo! Ligue para (51) 3018-6950, envie uma mensagem no WhatsApp para (51) 99998-0245 ou entre em contato no nosso site.

Continue Reading

Os Exploradores da Longevidade foram convocados para avaliar o Amazon Echo - um dispositivo de assistência virtual que promete revolucionar o poder de autonomia e controle das tarefas diárias dos idosos apenas com o uso da voz. Descubra o que eles acham dessa inovação!

A Tech-enhanced Life, comunidade norte-americana focada em melhorar a qualidade de vida dos idosos e seus familiares por meio da tecnologia, convocou seu time de Exploradores da Longevidade para testar e avaliar o Amazon Echo – um dos assistentes virtuais que promete revolucionar o poder de autonomia e controle das tarefas diárias apenas com o uso da voz.

Entenda como o Amazon Echo e Alexa funcionam e descubra o que os Exploradores da Longevidade acham dessa inovação!

Durante um dos círculos de interação realizado pela Tech-enhanced Life, o grupo de idosos denominado Exploradores da Longevidade recebeu a missão de testar o equipamento Amazon Echo, lançado como uma assistente virtual residencial. O objetivo era avaliar a viabilidade e a relevância para o público sênior, no intuito de indicar – ou não – um produto que realmente facilite a vida do idoso e estimule sua interação nas atividades da vida diária.

Como o Amazon Echo e Alexa funcionam?

O Amazon Echo é um equipamento eletrônico, na forma de um cilindro de 23 cm, cuja plataforma de inteligência artificial é operada por comando de voz e atende por Alexa. Ela reconhece e executa mais de 30 mil comandos, e sua função é auxiliar em demandas do dia a dia, desde configurar o despertador até apagar as luzes da casa, quando vinculado à automação residencial, por exemplo.

O dispositivo conta com sete alto-falantes e alguns microfones permanentes , que projetam o som em 360º, permitindo envio e recebimento de comandos mesmo à distância ou com ruídos no ambiente.

À primeira vista, Alexa lembra outros assistentes virtuais (como a Siri, famosa assistente virtual da Apple), mas propõe maior precisão nas informações e integração com aplicativos.

Conheça algumas funcionalidades do Amazon Echo

#1 Ouvir músicas e audiobooks

Ao vincular algum serviço de streaming, é possível dizer apenas “Toque tal música” ou “Toque tal estação de rádio” para que o Amazon Echo execute a ação. Spotify e iTunes são alguns dos serviços compatíveis.

#2 Ajustar luzes e temperatura

O Amazon Echo permite integração aos sistemas de automação residencial, em que o idoso pode desligar luzes e ajustar termostato sem necessidade de levantar da cama, por exemplo.

#3 “Como está o clima hoje?”

Quando quiser saber qual será o clima na sua região ou na cidade de algum familiar, basta perguntar à Alexa.

#4 Notícias

O idoso pode começar o dia bem informado com a ajuda do Amazon Echo: sempre que acionado, ele estará pronto para dar as notícias mais recentes, como um jornal em tempo real.

#5 Pedir comida ou Uber

Outro recurso bem interessante que o Amazon Echo promete é o uso do comando de voz para pedir delivery de comida ou transporte particular, como Uber.

Assista aqui ao vídeo do Amazon Echo (em inglês).

Opinião dos Exploradores da Longevidade sobre os Assistentes Virtuais

Após observações e testes, os membros dos Exploradores da Longevidade expressaram opiniões diferentes quanto à utilidade do Amazon Echo: enquanto alguns ficaram muito interessados no gadget, outros simplesmente ficaram indiferentes.

  • Algumas pessoas ficaram realmente impressionadas e se sentiram motivadas a comprar o produto;

  • Algumas pessoas afirmaram já ter acesso às funcionalidades do Amazon Echo a partir de seus smartphones, tablets e notebooks e, por esse motivo, descartariam a aquisição de outro equipamento;

  • Algumas pessoas demonstraram preocupação com sua privacidade, já que o equipamento mantém a captação do áudio do ambiente combinado à conexão com a internet em tempo integral;

  • Alguns acreditam que este tipo de tecnologia estimula o sedentarismo;

  • Alguns consideram que um assistente virtual facilita muito a vida de idosos, especialmente aos que moram sozinhos ou possuem alguma limitação.

Público habituado à tecnologia

É importante considerar que o público idoso norte-americano é muito diferente do brasileiro, principalmente em relação à tecnologia – eles têm o hábito de consumir tecnologia, utilizam smartphones e conhecem opções de automação residencial há muito tempo.

Essa cultura, no entanto, pode causar efeitos opostos: assim como estão mais propensos a entender e aceitar esse tipo de produto, também podem não expressar expectativa pois já estão adaptados a dispositivos com funções similares.

Ao final do círculo de discussão, os Exploradores da Longevidade concluíram que, embora o Alexa não faça mais do que seja possível utilizando outros produtos, é um equipamento muito interessante que as pessoas precisam ter para conseguir apreciar.

Isso é o que ocorre com as demais tecnologias, quando os consumidores não têm noção da relevância daquele produto para suas vidas até que experimentem. Enquanto isso, assim como a Tech-enhanced Life, continuamos com a missão de encontrar alternativas para melhorar a qualidade de vida dos idosos e garantir tranquilidade para seus familiares.

E você: gostaria de usar algum assistente virtual para você ou para seus pais?

Você sabia que já existem no Brasil sistema que funciona como uma assistente pessoal? Deixe seu comentário dizendo o que você pensa sobre as tecnologias assistivas e como você acredita que elas podem facilitar a vida dos idosos!

Continue Reading

Familiares relatam dificuldades para convencer o idoso a usar os Sistemas de Emergência. Separamos algumas dicas para que você possa ajudar nesse processo.

Muitos familiares relatam dificuldades sobre como convencer o idoso a usar os Sistemas de Emergência Pessoal. Alguns insistem não precisar e criam diversas objeções, outros não entendem exatamente como pode ajudá-los e os familiares temem que, mesmo após a compra, o equipamento não seja utilizado.

A verdade é que a maioria das pessoas têm dificuldade em receber ordens e quando se trata de alguém que sempre teve autoridade e ditou as regras, é ainda mais complicado.

Por isso, separamos algumas dicas para que você, familiar, possa ajudar no processo de aceitação do Sistema de Emergência Pessoal, que será um grande aliado no cuidado de quem você ama!

É natural que, com o avanço da idade, alguns idosos não consigam desempenhar algumas tarefas como faziam algumas décadas antes. É inevitável também que, acostumados com sua autonomia, resistam ao impedimento de executar algumas atividades.

Muitos idosos sequer reconhecem suas dificuldades e, portanto, tendem a rejeitar sua condição de coadjuvante em determinadas situações.

Quando os familiares identificam sinais de que o idoso possa estar exposto a algum risco, buscam alternativas para que ele não fique desassistido em caso de necessidade, como os Sistemas de Emergência Pessoal – console com botão de emergência, conectado a uma Central 24h que pode ser acionada em situações de emergência.

Embora seja um equipamento que promove a manutenção da independência, algumas pessoas na terceira idade podem sentir que estão sendo controlados pelos familiares por meio da tecnologia, o que é um grande equívoco. Seguindo as dicas abaixo, você saberá como convencer o idoso a usar os Sistemas de Emergência Pessoal.

Confira alguns argumentos sobre como convencer o idoso a usar os Sistemas de Emergência!

#1 Telefone com telefonista 24h

Um dos clientes da Tecnosenior relatou que sentiu dificuldade para fazer com que a mãe aderisse à tecnologia de emergência pessoal.

O argumento utilizado, então, é que ela teria à sua disposição um telefone com uma telefonista 24h, acionada com um único botão a partir de qualquer lugar da casa, para atender ou realizar chamadas.

A Central de Monitoramento (telefonista 24h) possui acesso a todos os principais contatos da família e, sempre que há necessidade, pode localizar o filho e solicitar que ele entre em contato com a mãe.

#2 Preocupação da família

O uso de gatilhos emocionais pode ajudar a convencer o idoso a usar os Sistemas de Emergência Pessoal.

Mostre ao idoso que ele é muito importante para a família e que todos gostam de tê-lo por perto. Diga também que se ocorrer algum acidente ou se ele ficar doente, vocês gostariam de estar cientes.

Para que se sinta seguro, além de ouvir a alegação, ele precisa perceber que a família se preocupa verdadeiramente com ele.

#3 Segurança Pública

Com tanta insegurança, um dos argumentos utilizados para convencimento é o de ação rápida em caso de assalto, sequestro e até violência doméstica.

Há Sistemas de Emergência Pessoal para uso dentro e fora de casa, que são eficazes no pedido de socorro de qualquer natureza.

Essa reflexão costuma ser bem positiva pois algumas pessoas costumam sentir mais medo da violência urbana do que de uma possível queda ou mal estar.

#4 Visita demonstrativa

Outra maneira muito eficaz de mostrar ao idoso a utilidade dos Sistemas de Emergência Pessoal é solicitando uma visita demonstrativa.

Durante a apresentação, o representante exibe o funcionamento real do sistema, o que transmite segurança para o usuário. É possível perceber a rapidez do atendimento da Central 24h e a simplicidade do funcionamento do equipamento.

Com tantas opções, fica mais fácil apresentar as vantagens do serviço e convencer o idoso a usar os Sistemas de Emergência Pessoal.

Agora que você já sabe como convencer o idoso a usar os Sistemas de Emergência Pessoal, quer encontrar a solução mais adequada para o idoso e sua família?
Deixe seus dados aqui e em breve entraremos em contato para mais informações!

Continue Reading

Controle de Medicamentos com PERS

Controle de Medicamentos com PERS

Muitos idosos precisam consumir medicamentos regularmente e isso pode ser um grande problema quando sabemos que uma das características do avanço da idade é o esquecimento.

Estima-se que 30% dos idosos que tomam remédios esquecem de seguir os horários prescritos, o que, comprovadamente, reduz a eficácia do tratamento.

As complicações aumentam ainda mais quando se trata da dosagem. Cada medicamento pode ter várias apresentações (comprimidos, cápsulas, gotas, xarope etc.) e, em caso de ingestão da quantidade ou concentração errada, as reações em idosos podem ser muito severas.

Com a idade avançada, a atividade enzimática do fígado diminui, o que afeta a metabolização dos medicamentos. O fluxo sanguíneo e as funções renais também declinam, dificultando a excreção e prolongando, assim, os efeitos colaterais.

Na hora certa

controle de medicamentosVocê já ouviu falar em Cronofarmacologia?

O tema é tão importante que existe uma ciência que estuda a melhor hora para tomar o remédio.

Não existe hora universal para todos os fármacos, pois cada doença tem maior incidência em determinado período.

Com isso, deve ser administrado no horário prescrito pelo médico, para que a eficácia seja maior e o efeito colateral, menor.

Mas, e como fazer quando o idoso tem dificuldade em memorizar as informações dadas pelo médico?

Tecnologia para tomar o remédio

É comum que os idosos sintam dificuldade de lembrar das coisas.

Para não esquecer do horário do medicamento, alguns recorrem ao despertador. Para não errar na dose, usam caixinhas de pílulas diárias para separar a quantidade certa.

O problema é que, se o despertador não tocar ou o idoso não abrir a caixinha, não vai tomar o remédio e ninguém fica sabendo.

Para solucionar essa dificuldade, os familiares podem adotar a tecnologia para o controle de medicamentos.

O PERS 4200 é um sistema de emergência pessoal com um botão de emergência, em que a pessoa pode chamar ajuda com um simples toque. Neste equipamento, entre outras funções, é possível configurar lembretes de medicamentos, que serão disparados nos horários programados conforme necessidade do usuário.

Além disso, o PERS 4200 é compatível com diversos acessórios e, um deles é o Dispensador Eletrônico de Medicamentos.

Dispensador de Medicamentos

É um dispositivo circular com 28 espaços (nichos) e possui um sensor de atividade interno. Emite um alerta com o PERS nos horários agendados e a medicação é liberada pelo sistema. Ao retirar os comprimidos, o console recebe um sinal que houve a atividade prevista. Caso o usuário não pegue os medicamentos liberados pelo dispensador, o sistema enviará um sinal para a Central avisando que a ação não está completa.

Dessa forma, as chances do idoso trocar ou esquecer de tomar o remédio são quase nulas, pois o sistema acompanha toda a atividade e, a cada situação atípica, os familiares são notificados.

Por isso, é importante escutar a necessidade do usuário na hora de oferecer a melhor solução, pois os acessórios facilitam muito o dia a dia de quem usa e agregam valor à venda.

Continue Reading

Emergência Pessoal sem Mensalidade

O Freedom Alert pode ser programado para discar diretamente para número de parentes, amigos ou cuidadores. Este sistema não precisa de interação com uma Central de Monitoramento, por isso, é chamado de “Sistema Livre de Mensalidade”. Uma vez que os sistemas que ligam para uma Central de Monitoramento, cobram por este serviço.

Usuário Sistema sem Mensalidade

Outro grande diferencial do Freedom Alert, é o seu microfone e alto-falante embutidos no botão de emergência. Isso assegura que a pessoa que está chamando ajuda possa se comunicar mesmo estando longe do console.

O Freedom Alert é o primeiro botão de emergência que permite comunicação de voz bi-direcional  e pode ser programado para ligar até quatro (4) contatos. É possível se comunicar com a família, amigos ou vizinhos, a qualquer hora e de qualquer lugar da casa ou do pátio ao redor de casa.

Uma tomada e uma linha de telefone fixo é tudo o que é necessário para que a unidade opere. O pingente é alimentado por uma bateria de lítio que dura até 6 meses com uma única carga. Além disso uma bateria reserva fica sempre na base sendo recarregada.

Outro ponto importante: para garantir o atendimento, a pessoa que recebe o chamado de emergência, precisa digitar o número 5. Isso confirma que a chamada não foi atendida pelo sistema de mensagem de voz ou secretária eletrônica. Caso o Freedom Alert não “receba” o sinal do número 5, ele vai chamar os outros números cadastrados.

Isso faz do Freedom Alert um dos sistemas mais econômicos e seguros do mundo, para aqueles que abrem mão do serviço de uma Central de Monitoramento 24h.

A confirmação de recebimento da ligação, que é feita através da digitação do número 5, garante que todos os número programados serão chamados. Esse recurso não está disponível em outros sistemas que ligam diretamente para números cadastrados. Confira clicando aqui outros produtos Tecnosenior.

Sistema de Alerta sem Mensalidade

Freeedom Alert

Continue Reading

Equipamentos de Emergência Pessoal como Alarme

Alarme para lojas, escritórios e consultórios

Muitos estabelecimentos comerciais são assaltados durante o período de expediente, seja uma joalheria de shopping, um supermercado ou farmácia, ninguém está livre da violência urbana. Profissionais como advogados, médicos e dentistas, também estão na mira dos assaltantes, com o agravante de que muitos destes profissionais trabalham sozinhos.
No caso destes assaltos os sistemas de alarme convencionais, que protegem contra arrombamentos, não ajudam muito. Mesmo que estes sistemas de alarme possuam um botão de pânico, dificilmente eles são acionados.

Os Sistemas de Emergência Pessoal possuem recursos e características que são de grande valor nestes casos:

  • os botões de pânico são muito leves e pequenos e podem ser usados como pingentes sob a roupa, facilitando o acionamento de forma discreta sem chamar a atenção dos ladrões.
  • estes botões podem ser utilizados por diversas pessoas que irão acionar o mesmo sistema.
  • estes botões tem um longo alcance, mesmo que as pessoas sejam trancadas dentro de um banheiro, e estejam longe do console, poderão acionar a emergência.
  • a solicitação de ajuda pode ser feita de forma silenciosa e permite que os operadores da Central de Monitoramento abram um escuta no ambiente através de um microfone super-sensível do console.
  •  o console pode utilizar uma linha telefônica regular ou módulo de celular.
Continue Reading

Flic, o Botão Inteligente para Smartphones

Não seria incrível se você tivesse um botão externo que  pudesse ser configurado para interagir com diversos aplicativos do seu smartphone? O Flic é um botão inteligente, lançado com grande sucesso pelo site de crowdfunding indiegogo, que está sendo importado e distribuído no Brasil pela Tecnosenior.

O botão se conecta ao smartphone via Bluetooth, através de um aplicativo grátis para iPhone e Android, e você pode configurar diversas ações. Uma grande aplicação é para segurança pessoal: é possível programar o Flic para enviar uma mensagem de texto pedindo ajuda e sua localização.

botão inteligente

O botão é bem pequeno e pode ser fixado em qualquer superfície ou preso na roupa com um clip. Cada um memoriza três comandos: clique simples, clique duplo, e clique longo. Você pode comprar vários botões e colocá-los em torno da sua mesa de trabalho, na sua bicicleta, em casa, ou no seu carro.

Possui design emborrachado e está disponível em diversas cores.

botão inteligente

 

O que posso fazer com o Flic?

Muita coisa pode ser feita com estes botões: disparar a câmera fotográfica do telefone, fazer chamadas, acionar o GPS e dezenas de outros aplicativos.  Ele também funciona como uma forma física para disparar um comando do tipo If-This-Then-That (IfTTT) através do aplicativo IfTTT. O nível de interesse neste produto indica que os consumidores querem uma maneira fácil de disparar rapidamente comandos repetitivos dentro de uma casa inteligente, em casos de automação residencial. O botão inteligente Flic utiliza uma bateria que pode ser facilmente substituída.

Cada cliente pode cadastrar vários botões e configurá-los com funções diferentes, o que garante a segurança e praticidade para executar qualquer tarefa.

Assista o vídeo para ver como funciona.

 

Para maiores informações, clique aqui.

Continue Reading

Câmeras para monitoramento de saúde

Você consegue imaginar câmeras capazes de fazer monitoramento de saúde apenas pelo uso de imagens? Pois é. A Hanwha Techwin, fabricante de câmeras de vigilância da Samsung, e a Oxehealth, desenvolvedora de softwares de monitoramento de saúde, anunciaram parceria para a criação de uma câmera capaz de fazer o monitoramento de saúde das pessoas a partir de imagens.

O trabalho em conjunto já rendeu resultados surpreendentes, pois já é possível por meio da câmera monitorar a frequência cardíaca e as taxas de respiração dos pacientes. O objetivo é expandir as funções para o monitoramento de temperatura, pressão arterial e até mesmo da oxigenação no sangue. Mas como isso acontece? A câmera é capaz de “ler” os sinais vitais por meio da localização da pessoa nas imagens e da seleção da parte do corpo a ser analisada. O intuito é que a tecnologia seja utilizada em instituições de saúde e em penitenciárias, visando a prevenção de mortes, já que por meio do monitoramento será possível receber alertas sobre mudanças súbitas nos pacientes e nos detentos. As empresas também estão considerando a aplicabilidade em pacientes em atendimento domiciliar, como idosos, e no monitoramento de bebês. Parece ficção científica, mas é a realidade.

Monitoramento de saúde

Reconhecimento facial

Certamente a utilização desta tecnologia dentro das penitenciárias, está muito longe da realidade brasileira. Mas para as ILPI – Instituições de Longa Permanência para Idosos, quem sabe num futuro próximo. Sabemos que os sistemas de reconhecimento facial funcionam cada vez melhor, inclusive reconhecendo expressões como sorriso para disparar fotos, em câmeras fotográficas simples.

Confira o vídeo que mostra o funcionamento da Oxecam:

Matéria publicada pelo Canaltech. Para acessar a matéria original, clique aqui.

Continue Reading

Tecnologia Assistiva

Tecnologia Assistiva 

Tecnologia Assistiva, segundo as autoras Mara Lúcia Sartoretto e Rita Bersch, é um termo ainda novo, mas é muito bem apresentado no site Assistiva Tecnologia e Educação – www.assistiva.com.br

Conforme está no site, o termo Tecnologia Assistiva se refere a “uma ampla gama de equipamentos, serviços, estratégias e práticas concebidas e aplicadas para minorar os problemas encontrados pelos indivíduos com deficiências” (Cook e Hussey • Assistive Technologies: Principles and Practices • Mosby – Year Book, Inc., 1995.

Tecnologia Assistiva para idosos no Brasil

A Tecnosenior é uma empresa que fornece equipamentos e softwares de Tecnologia Assistiva para empresas que queiram prestar serviços nesta área. Não exclusivamente, mas principalmente, para pessoa idosas, que se configuram como um grande mercado. Os equipamentos e sistemas importados e desenvolvidos por nós atendem integralmente os objetivos da Tecnologia Assistiva, que são: “proporcionar à pessoa com deficiência maior independência, qualidade de vida e inclusão social, através da ampliação de sua comunicação, mobilidade, controle de seu ambiente, habilidades de seu aprendizado, trabalho e integração com a família, amigos e sociedade”.

Os Sistemas de Emergência Pessoal ou Teleassistência proporcionam uma maior independência aos seu usuários na medida que permitem comunicação com seus familiares, amigos ou cuidadores, em situações de emergência. Dessa forma o usuário se sente mais independente para continuar suas atividades domésticas mesmo que more só ou passe parte do tempo sozinho em casa.

Os equipamentos de teleassistência se enquadram na categoria 4 de Tecnologia Assistiva:  Sistemas eletrônicos que permitem as pessoas com limitações moto-locomotoras, controlar remotamente aparelhos eletro-eletrônicos, sistemas de segurança, entre outros, localizados em seu quarto, sala, escritório, casa e arredores. Na realidade, os sistemas de emergência pessoal, permitem que o usuário controle um telefone com discagem a automática, através de botões e sensores que transmitem sinal para um console instalada na casa do usuários e conectado à uma Central de Monitoramento através de linha telefônica.

Sistema de Tele-assistência e tecnologia assistiva

Tele-assistência

Continue Reading