Quedas fatais são a terceira principal razão de mortes por causas externas em SP

Dados do Boletim Epidemiológico Paulista, divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde, indicam que as quedas fatais são a terceira principal razão de mortalidade por causas externas no estado. Enquanto o percentual geral de mortes por causas externas diminuiu no período de 2000 a 2016, os acidentes com quedas fatais aumentaram em espantosos 422%. Esse volume coloca as quedas como a terceira principal razão para mortes externas no estado, atrás apenas de homicídios e acidentes de trânsito.

Idosos são o principal grupo de risco para quedas fatais

A maioria dos casos de morte por quedas envolve idosos. Das 3.361 mortes registradas no estudo, mais da metade (1.809) foram relacionadas a pessoas com mais de 75 anos. Uma das razões apontadas pelos especialistas é o aumento na expectativa de vida: A população está envelhecendo e, quanto mais avançada a idade, maior a incidência de comorbidades. 

Alterações nos sistemas visual, neurológico e muscular acabam transformando o idoso em uma bomba-relógio no que diz respeito ao risco para quedas.  Justamente porque são frágeis, essas quedas têm consequências também mais graves. Uma queda sem trauma em um jovem, por exemplo, pode gerar fratura de quadril ou um trauma craniano em um idoso. Se precisam operar, muitos morrem em decorrência do pós-operatório. Quando conseguem passar pela cirurgia, em geral ficam com sequelas que muitas vezes se tornam riscos para quedas futuras.

Como prevenir as quedas de idosos?

Realizar exames médicos periodicamente, controlar doenças, corrigir problemas de visão e praticar exercícios físicos são atitudes imprescindíveis para diminuir os riscos de quedas.  Além disso, corrigir fatores ambientais, como a presença de obstáculos e baixa luminosidade nos ambientes em que o idoso circula também contribui para evitar as quedas de idosos.

Dicas para evitar acidentes com quedas de idosos 

Mesmo com todos os devidos cuidados, nem sempre é possível evitar a ocorrência de algum incidente. Nesses casos, é muito importante que se preste socorro imediato à vítima. O atendimento na  primeira hora seguinte ao acidente, é essencial e definitivo, pois é o que definirá as consequências físicas e emocionais do trauma. Idosos que ficam sozinhos em casa ou andam sozinhos na rua correm o risco de não serem socorridos imediatamente. Uma solução possível para esse problema é o Sistemas de Monitoramento Pessoal conhecido como Vidafone. 

O Vidafone é um serviço de emergência pessoal que proporciona que o seu familiar idoso tenha uma rotina normal, sem interrupções, com a garantia de que será prontamente amparado em caso de alguma emergência, como por exemplo a queda de idosos. 

Através de um Botão de emergência – dispositivo pequeno e discreto usado como pingente ou pulseira, é possível acionar uma central de atendimentos disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana. Quando o botão de emergência é acionado, um profissional irá se comunicar imediatamente com o idoso, afim de identificar a gravidade da ocorrência e, dependendo da situação, agirá conforme for necessário, desde simplesmente acalmá-lo até eventualmente acionar ambulância ou serviços médicos. 

Sensor de quedas: Quando o idoso fica impossibilitado de acionar o botão de emergência

Uma das funcionalidades do Vidafone é o sensor de quedas. Ele aciona automaticamente o serviço no caso do idoso sofrer uma queda e ficar impossibilitado de apertar o botão. Ou seja, o seu familiar estará amparado mesmo quando não conseguir pedir ajuda.   

Para saber mais sobre o Vidafone, você pode entrar em contato conosco clicando aqui.

Compartilhar
Tire suas dúvidas