Síndrome do Cuidador de idoso

Idosos que precisam de cuidados especiais em tempo integral são, geralmente, aqueles que possuem limitações e necessidades que fazem com que a pessoa responsável por assisti-la dedique boa parte do seu tempo e energia à essa função. É comum que cuidadores de idosos desenvolvam  estresse e esgotamento físico e psicológico. É neste contexto que surge a “Síndrome do Cuidador de idoso”.

Síndrome do Cuidador de idoso: Quando a vida do paciente torna-se a vida do cuidador

A  Síndrome do Cuidador acontece quando o cuidador transforma sua vida na do doente e assume os problemas dele como se fossem seus. Isso acontece por conta do nível de responsabilidade exigido nos cuidados com o idoso, o que muitas vezes acaba anulando e afastando o profissional das próprias necessidades. O esgotamento físico e psíquico é inevitável, mas muitas vezes o cuidador sente culpa e angústia por não estar se dedicando exclusivamente ao paciente. A sobrecarga que o cuidador sente pode manifestar sintomáticas a nível físico, psíquico e social. As mais frequentes são:

Sintomas físicos

  • Perda de energia e sensações de fadiga e cansaço
  • Dor de costas
  • Dor de cabeça frequente
  • Tonturas
  • Incapacidade para relaxar
  • Dores musculares
  • Sensação de pernas pesadas

Sintomas psíquicos 

  • Ansiedade
  • Depressão
  • Alterações no sono
  • Apatia
  • Irritabilidade
  • Nervosismo
  • Pensamentos de suicídio ou de abandono
  • Ressentimento em relação à pessoa de quem se cuida
  • Sentimentos de desespero
  • Dificuldades para manter a concentração
  • Problemas de memória

Sintomas sociais 

  • Isolamento
  • Perda de interesse
  • Dificuldade nas relações interpessoais
  • Reação exagerada a críticas

O tratamento é, geralmente, psicológico e pode requerer algumas alterações na rotina do cuidador, como adquirir o hábito de cuidar mais e si e dividir a responsabilidade pelo idoso com outras pessoas. 

Momentos de folga são essenciais

Para cuidar de outra pessoa é necessário, em primeiro lugar, cuidar de si. O estresse gerado pelo acúmulo de tarefas e responsabilidades, que tendem a se multiplicar  com o passar dos anos, precisa ser tratado. Especialistas alertam que o cuidador não deve, jamais, abrir mão de ter vida social. Algumas horas de lazer por dia são essenciais inclusive para que, ao retornar ao trabalho,  consiga executá-lo da melhor forma possível. Dividir o trabalho com outras pessoas é imprescindível não só para descansar, mas também para compartilhar a responsabilidade.

Em alguns casos, contar com a tecnologia nos momentos de folga também pode ser uma boa opção. Sistemas de monitoramento pessoal como o VIDAFONE funcionam de forma passiva e proporcionam a segurança de que, se algo estiver errado com o paciente, o socorro será imediato mesmo quando ele não estiver sob cuidados. É uma forma do cuidador relaxar por alguns momentos com a certeza de que, se algum imprevisto acontecer, o idoso será prontamente amparado. 

 

 

 

Compartilhar
Tire suas dúvidas