Posts Taged cuidar-de-idosos

Sinais de velhice

Identificar, entender e aceitar alguns sinais de velhice é fundamental para uma vida saudável. Para isso, saiba como cuidar melhor de seu familiar idoso!

Na lógica de que envelhecer é um processo natural, sabemos que, junto com a idade avançada, vêm algumas limitações causadas pelos desgastes do corpo e/ou da mente. Locomover-se, por exemplo, torna-se um processo lento e não mais automático como antes. Em grande parte dos casos, é necessário o uso de aparelhos que ajudam a sustentar o corpo, como bengalas e andadores. É comum ocorrerem quedas devido a falta de equilíbrio ou tonturas decorrentes de labirintites ou outras doenças que desestabilizem o idoso. Esses são alguns dos mais claros sinais de velhice; no entanto, outros mais sutis também merecem atenção.

Nessa fase também é comum surgirem doenças típicas da idade, que são igualmente limitantes, já que o corpo mais frágil sente qualquer sintoma mais intensamente que um jovem adulto, por exemplo. Problemas de memória costumam surgir e a confusão causada por eles pode gerar isolamento e solidão, e, em alguns casos, doenças como a depressão. O fato é que o organismo está mais frágil e suscetível a doenças. São raros os idosos que não necessitam de cuidados, mesmo que sejam mínimos, pois ter mais dificuldades no dia a dia é um dos principais sinais de velhice.

Por outro lado, ficar mais velho não é, necessariamente, sinônimo de sofrimento. É possível ainda ter qualidade de vida na terceira idade, basta ter atenção a esses sinais de velhice e adotar alguns cuidados. Os idosos mais saudáveis costumam prezar pela autonomia. Querem ser independentes como já o foram toda a vida. Com isso, os filhos se preocupam com a possibilidade da ocorrência de algum acidente doméstico ou mal súbito, porque os pais acham que não precisam de acompanhantes ou cuidadores. Como resolver esse impasse?

Uma das opções mais seguras que o mercado oferece atualmente chama-se teleassistência. Trata-se, basicamente, da utilização de tecnologia para prestar assistência remota. Ou seja, essa forma de cuidar de idosos, que já é tradicional nos Estados Unidos, atua como um sistema de monitoramento à distância e permite que o idoso chame socorro de forma fácil e rápida em caso de emergências. Dentro da teleassistência, há uma variedade de dispositivos e equipamentos para suprir diversas necessidades e proporcionar autonomia e tranquilidade para idosos e seus familiares.

Dependendo do modelo escolhido, o dispositivo pode funcionar através da linha fixa ou móvel de telefone. Por meio desses aparelhos, o idoso pode, com um simples toque num botão de emergência, acionar ajuda quando necessário. Esse tipo de tecnologia também pode contar com rastreadores, sensores de queda e uma série de outros acessórios que, juntos, possibilitam que seu familiar tenha uma rotina normal e independente com a segurança de que, se necessário, será devidamente atendido.

Ficou curioso sobre o assunto? Clicando aqui você pode saber mais sobre a teleassistência.

Continue Reading
Cuidador familiar de idosos

Ser um cuidador familiar de idosos pode apresentar muitos desafios. Para tornar essa tarefa mais fácil, veja as nossas dicas de como cuidar de idosos!

É comum em grande parte das famílias que os próprios filhos cuidem dos pais quando eles já estão em idade avançada. Nem sempre as pessoas têm condições de contratar um profissional para essa função e, como está difícil encontrar pessoas de confiança hoje em dia, os filhos acabam assumindo a tarefa. Mas ser um cuidador familiar de idosos não é fácil, pois é preciso conciliar as responsabilidades dos filhos e cônjuge, do trabalho e demais demandas do cotidiano com os cuidados com os pais.

Outro fator agravante nesse cenário é o fato de que idosos muitas vezes dão trabalho, principalmente quando possuem problemas de saúde, quadro de demência ou mesmo caso sejam mais teimosos. Por isso, para garantir que o idoso tenha qualidade de vida, é preciso tempo, dedicação e paciência para enfrentar os desafios e proporcionar carinho e cuidado para os familiares mais velhos. Confira abaixo algumas como ser um melhor cuidador familiar de idosos!

Dicas para ser um melhor cuidador familiar de idosos

A maioria dos idosos passa grande parte de seu tempo em casa, já que nessa fase estão aposentados e nem sempre contam com disposição para fazer atividades fora do lar. Por isso, a casa deve ser adaptada para não oferecer riscos de queda ao idoso, que é um problema bastante comum.

Esse fato deve ser levado em consideração tanto quando o idoso mora sozinho, quanto quando ele mora no lar de um familiar. Para minimizar os riscos de queda e outros acidentes domésticos, é possível adotar algumas adaptações e mudanças simples, mas muito eficientes. O essencial é identificar possíveis causadores de acidentes e, além disso, fatores que apresentem riscos e/ou incômodos para os familiares mais velhos. Ou seja, é necessário dialogar com o idoso que está sendo cuidado para que ele também possa apontar tais fatores.

Adaptando a casa para idosos

De forma geral, algumas dicas costumam resolver ou minimizar a maioria dos problemas mais comuns de acontecerem no lar do idoso. Veja algumas formas de deixar a casa segura para idosos:

– Manter ambientes bem iluminados, de preferência com lâmpadas branco-azuladas, que equilibram visões turvas e amareladas;

Reduzir ao máximo possível a quantidade de móveis e outros itens de mobília que possam atuar como obstáculos para o idoso, gerando quedas e acidentes. Além disso, também é muito aconselhável manter as prateleiras firmes, os eletrodomésticos bem instalados, fios e cabos escondidos em canaletas e, principalmente, evitar o uso de tapetes;

– Tenha muita atenção com o banheiro, pois ele é o cômodo onde ocorre a maior parte dos acidentes e quedas de idosos. Para proporcionar o máximo de segurança, o piso deve ter revestimento antiderrapante. Além disso, instale barras de apoio próximas ao vaso sanitário e também no box.

Como lidar com os familiares idosos

Além de garantir que os ambientes do lar estejam adaptados e proporcionem segurança e conforto, muito do papel de um cuidador familiar de idosos é o dia a dia, o convívio e a atenção que essa pessoa precisa. Por isso, é fundamental saber como lidar com alguém na terceira idade, entender as dificuldades e aflições que surgem nessa fase da vida e buscar criar um relacionamento acolhedor, carinhoso e que estimule não apenas o bem estar físico, mas também emocional e psicológico. Dessa forma, é possível cuidar dos pais na velhice da maneira mais efetiva e saudável.

Um dos pontos chave para uma convivênca agradável com idosos é entender que a velhice pode trazer uma série de dificuldades e incômodos, não apenas físicos, mas emocionais. Por exemplo, é comum que o idoso tenha limitações (motoras e/ou cognitivas) ou que precise deixar o seu lar e ir morar com os filhos (que atuam como cuidadores familiares). Esses fatores, para o idoso, podem representar perda de autonomia e independência.

Portanto, é fundamental assegurar o idoso de que, por exemplo, no caso de uma mudança, esta será para o próprio bem dele, e que embora ele perca um pouco da sua autonomia, terá, por outro lado, companhia e o acolhimento da família. Este ponto, aliás, é muito importante, pois na terceira idade é comum que surjam problemas como depressão. Por isso, ter tempo para conviver com o idoso, estimular a prática de atividades benéficas e, de forma geral, proporcionar carinho e amor é essencial – do contrário, o idoso pode chegar até mesmo a sofrer de abandono afetivo inverso.

Já com relação às debilitações da velhice, o cuidador tem papel importante ajudando o idoso a aceitá-las e a procurar aproveitar o lado positivo da terceira idade (como ter mais tempo livre, poder conviver mais com a família, estimular hobies e atividades de lazer, entre outros aspectos).

A teleassistência e o cuidador familiar de idosos

Mesmo com todos as adaptações, precauções e esforços, por vezes é difícil – se não impossível – proporcionar cuidado em tempo integral para um idoso. Afinal, o filho do familiar mais velho também possui suas necessidades e compromissos, e assim a falta de tempo costuma ser o grande vilão que dificulta a atuação do cuidador. A boa notícia é que existem formas de cuidar de um idoso sem estar em casa, através da tecnologia – a chamada teleassistência.

Com aparelhos como sistemas de emergência pessoal, sensores de queda, mini rastreadores pessoais com GPS, dispensadores de medicamento, entre outros dispositivos, é possível complementar o seu cuidado e fazer com que o idoso possa solicitar ajuda em casos de emergência mesmo quando o cuidador familiar não está presente no lar. Assim, todos contam com muito mais segurança, tranquilidade e qualidade de vida, sem precisar perder autonomia ou deixar de realizar tarefas do cotidiano.

Continue Reading
vantagens de ter um sensor de presença para casa

A preocupação com os idosos que moram sozinhos pode ser minimizada com a instalação de equipamentos de monitoramento. Conheça o Sensor de Presença para casa!

Normalmente, a correria do dia a dia não permite que os familiares estejam presentes diariamente na rotina do idoso que mora sozinho, o que gera muita preocupação. Além disso, a maioria das ferramentas disponíveis para saber o que se passa quando você não está presente acaba interferindo na privacidade e na autonomia do idoso – as câmeras de segurança e os equipamentos com modo escuta são alguns exemplos. Por outro lado, uma boa solução que não acarreta nessas problemas é o sensor de presença para casa.

Monitorar o ambiente doméstico do idoso é muito importante para garantir sua segurança e possibilitar o socorro em caso de emergência. E é justamente nesse sentido que uma alternativa eficiente e não-invasiva é o Sensor de Presença para casa. Ele pode ser instalado nos cômodos em que o idoso mais transita a fim de acompanhar sua atividade diária.

Saiba como funciona o Sensor de Presença e quais são as vantagens de tê-lo em casa!

Sensor de Presença para casa: como funciona?

Diferente dos modelos comuns, comercializados pelas empresas de segurança patrimonial, o Sensor de Presença para casa é considerado um detector de movimento passivo. Isso quer dizer que, em vez de enviar um alerta de emergência para a Central de Monitoramento quando capta algum movimento, o equipamento pode ser configurado para emitir alerta caso não identifique movimento habitual.

Por exemplo: durante o dia, o idoso tem o hábito de transitar entre a sala e a cozinha. Então, a cada hora, o Sensor de Presença faz a varredura do ambiente esperando identificar esse movimento rotineiro. Caso, algum dia, ele não detecte movimento nesses cômodos, enviará o alerta de emergência.

Tecnicamente conhecido como Transmissor DXS-54, o Sensor de Presença para casa integra um sistema completo de emergência pessoal e é considerado um acessório de teleassistência. Ou seja, ao não detectar o movimento esperado, envia o alerta de emergência para o equipamento principal, o PERS 4200, que fica conectado à linha telefônica fixa da residência e disca imediatamente para a Central de Monitoramento 24h.

Conheça 4 vantagens de ter um Sensor de Presença para casa

#1 Supervisionar a saúde do idoso

Quando um equipamento se baseia num hábito que o idoso executa em condições regulares de saúde, é possível considerar que, enquanto ele mantiver essas atividades inalteradas, não há risco iminente de saúde.

#2 Prestar socorro imediato em caso de emergência

Em contrapartida, se o equipamento detectar qualquer irregularidade nas atividades habituais do idoso, subentende-se que algo grave aconteceu e ele precisa de ajuda. Dessa forma, os contatos cadastrados serão informados imediatamente e poderão ir até a casa do idoso para certificar se está tudo bem.

#3 Tranquilidade e Segurança

Em muitos casos, o alerta de emergência não representa perigo: pode ser que o idoso tenha resolvido fazer algo diferente nesse dia, como sair para passear ou dormir um pouquinho mais. De qualquer forma, você ficará tranquilo sabendo que pode monitorá-lo à distância.

#4 Integração com outros sensores

Cada console principal (PERS 4200) pode receber sinal de até 16 transmissores simultaneamente. Além do Sensor de Presença, podem ser configurados outros acessórios de teleassistência para casa, como Detector de Fumaça e Sensor de Porta e Janela.

Se você deseja adquirir o Sensor de Presença para casa, entre em contato conosco! Você pode ligar para (51) 3018-6950, enviar WhatsApp para (51) 99998-0245 ou, se preferir, deixe sua mensagem em nossa página e nós entraremos em contato com você!

Continue Reading
como cuidar de idoso com alzheimer

O Alzheimer afeta idosos e familiares, mas é possível minimizar os sintomas e melhorar sua qualidade de vida. Descubra como cuidar de um idoso com Alzheimer.

Quando um idoso recebe o diagnóstico da Doença de Alzheimer, toda a família sofre. É muito difícil assimilar que uma pessoa ativa e independente seja acometida por uma doença incurável e debilitante. Por ser uma doença neurodegenerativa progressiva, o Alzheimer evolui ao longo dos anos, passando por três estágios principais e afetando cada dia mais a memória e a capacidade cognitiva do doente. Devido às particularidades da doença, a rotina de como cuidar de idoso com Alzheimer demanda muita paciência e jogo de cintura. Além das dificuldades físicas e cognitivas que se agravam com o tempo, as alterações comportamentais deixam o idoso teimoso, sensível e agressivo, dificultando o cuidado diário.

Embora não seja possível reverter o Alzheimer, algumas ações ajudam a minimizar os sintomas e retardar o avanço da doença, contribuindo para manter a qualidade de vida do idoso por mais tempo. Confira que ações são essas e descubra como cuidar de idoso com Alzheimer!

#1 Estabeleça uma rotina

Semelhante às crianças, os idosos com Alzheimer precisam de rotina para se sentirem seguros.

Organize-se para que vocês façam as refeições sempre no mesmo horário, assim como os passeios, as atividades, o banho, a administração dos medicamentos e a hora de dormir, entre outras atividades. Peça a ajuda do idoso para desenvolverem juntos uma agenda semanal, incluindo os momentos de lazer, como assistir a um filme ou dançar.

#2 Valorize sua autonomia

O comprometimento da capacidade do idoso com Alzheimer é gradativo, portanto, evite incapacitá-lo antes que a doença o faça.

Permita que o idoso realize as atividades a que está habituado e supervisione, ajudando apenas quando houver necessidade. Dessa forma, ele se sentirá mais confiante por perceber que ainda mantém certa autonomia.

#3 Mantenha a casa segura

Sempre alerta! O lema é dos escoteiros, mas bem poderia ser adotado pelos cuidadores de idosos com Alzheimer.

Os episódios de acidentes domésticos são muitos comuns com idosos, e com a Doença de Alzheimer os riscos são ainda maiores. Para reduzir as chances de queda e acidentes, realize adaptações na casa: instale barras de segurança no banheiro, mantenha os ambientes bem iluminados e retire tapetes e móveis em excesso. Também fique atento ao fogão, ar condicionado e aparelhos elétricos.

#4 Evite que ele saia desacompanhado

Mesmo na fase inicial da doença, um dos sintomas mais recorrentes é a Desorientação Topográfica, que consiste na dificuldade em reconhecer trajetos e lugares cotidianos, o que pode fazer com que o idoso se perca, caso saia desacompanhado. Para evitar que ele saia do lar sozinho, deixe-o acreditar que você não quer ficar sozinho ou tem algum compromisso fora de casa. Caso você não possa acompanhá-lo sempre, considere a aquisição de um Mini Rastreador para Idosos.

Além disso, quando a doença avança, o idoso tende a não reconhecer a própria casa e pede para ir embora – é a chamada Síndrome do Pôr do Sol, pois geralmente se manifesta no fim da tarde. Caso aconteça, leve-o para dar a volta na quadra e retorne para casa.

#5 Incentive a prática de exercícios físicos

Os benefícios dos exercícios físicos são conhecidos por todos, mas os efeitos em idosos com Alzheimer vão além da estética e do fortalecimento muscular. A deterioração dos neurônios afeta diretamente o sistema motor do idoso, comprometendo a locomoção e os movimentos cotidianos, como sentar e erguer os braços – e as atividades físicas amenizam justamente isso tudo.

Além de evitar as dores e quedas, os exercícios físicos contribuem para a manutenção do equilíbrio, para o funcionamento do intestino e para a liberação de endorfina (hormônio do bem-estar que reduz os sintomas do Alzheimer).

#6 Estimule, também, os exercícios mentais

As atividades cognitivas são muito importantes para manter ativo o cérebro dos idosos e retardar os sintomas do Alzheimer. E o estímulo ainda pode ser potencializado se as atividades forem realizadas em grupos maiores de pessoas, em clubes ou com vizinhos. Jogo da memória, quebra-cabeças, sudoku, cruzadinha, xadrez e jogos de baralho são ótimas opções para incentivar o raciocínio lógico.

Além dos jogos, conheça outras dicas para “acordar” o cérebro:

  • Antes de ir ao supermercado, peça ao idoso para fazer uma lista de compras. Chegando lá, tentem realizar as compras sem usar a lista.

  • Leia uma história ou notícia para o idoso, com muitos detalhes. No dia seguinte, solicite que ele repita ou conte a história para outra pessoa.

  • Coloque uma música que ele goste ou que tenha sido especial em sua juventude – as músicas são poderosas contra a progressão do Alzheimer.

Gostou das nossas dicas de como cuidar de idoso com Alzheimer? Então confira o nosso blog para ter ainda mais informações sobre a saúde na terceira idade!

Continue Reading
Como cuidar de um idoso sem estar em casa

Com a correria do dia a dia, nem sempre é possível estar presente. Conheça algumas ideias de como cuidar de um idoso mesmo sem estar em casa!

Quem tem familiares idosos convive com uma preocupação constante – principalmente quando a presença física é menos frequente que o desejado. Nesses casos,  pesquisar alternativas que o ajudem e informem sobre como cuidador de um idoso, mesmo à distância, pode trazer respostas valiosas.

Primeiramente, devemos sempre lembrar que o importante é a qualidade do tempo que passamos com nossos pais, e não apenas a quantidade. Criar uma rotina de telefonemas, visitas periódicas e viagens de férias muitas vezes pode oferecer momentos muito mais ricos do que apenas morar no mesmo bairro, mas sem tanto contato. Além disso, a tecnologia é uma grande aliada para manter-se presente mesmo em grandes distâncias físicas.

Quer saber como cuidar de um idoso quando você não pode estar em casa? Confira as dicas que preparamos para que você construa uma rede de cuidados à distância!

Contato Diário

Somos por natureza seres sociais e precisamos conviver e conversar com outras pessoas. Para idosos, a socialização mantém o cérebro ativo e ajuda a prevenir demência. Além disso, no caso de conversas cotidianas com os filhos, há um reforço dos laços afetivos que o fazem sentir-se mais seguro, confiante e alegre, minimizando chances de depressão.

Um  bom recurso para estar presente no dia a dia mesmo quando se mora longe, é construir o hábito de ligações diárias. Além de matar as saudades, você conseguirá entender como está a rotina do idoso e perceber até pelo seu tom de voz se há alguma alteração ou preocupação especial.

Além disso, os smartphones podem tornar a experiência da ligação diária muito mais rica, com as videochamadas, por exemplo. Como é comum pessoas na terceira idade terem dificuldades para digitar números de telefone e até em ouvir bem nas ligações, o recurso visual ajuda a complementar a interpretação e facilitar a comunicação. Fora isso, por vídeo, você também consegue observar se há alguma alteração no aspecto físico do idoso.

Atualmente, existem diversos aplicativos que possibilitam isso. O WhatsApp, um dos mais populares, é uma ótima ferramenta que pode auxiliar na construção do hábito desses contatos diários. Com uma usabilidade muito fácil, o idoso aprende rápido a usar o aplicativo. Para ele, pode ser mais fácil encontrar sua foto na lista de contatos do que ler seu nome na agenda telefônica, por exemplo.

Viagens Comemorativas

Quebrar a rotina das visitações ao idoso também é importante. É muito comum que em todas as oportunidades os filhos se desloquem à casa dos pais, compartilhem de um almoço, jantar ou fim de semana com eles, e depois partam.

A locomoção para o idoso muitas vezes se torna restrita em função às suas debilidades de saúde. E, em consequência disso, os passeios cada vez mais raros. Por isso, a ideia de criar uma regra de sempre levar o idoso a uma viagem nova, como em uma data comemorativa pontual, pode funcionar muito bem.

Sair de casa, visitar pessoas que não vê há muito tempo ou simplesmente conhecer um lugar novo, além de manter o cérebro ativo, renderá boas memórias. Além disso, se você mantiver uma regularidade nas datas das viagens, como o feriado da Páscoa ou o aniversário do idoso, entre outros tantos exemplos, ele pode se programar com antecedência.

Contato com o Cuidador

Em casos de idosos assistidos por cuidadores, o contato frequente com esses profissionais também é fundamental. Por isso, organizar-se para conseguir ligar com boa frequência em horários que o cuidador esteja com o idoso é bem importante.

Além de falar sobre o estado geral de saúde do idoso, o cuidador também pode monitorar a qualidade do sono, da alimentação e indícios de depressão, que deve ser tratada o mais precocemente possível. Portanto, ter uma relação próxima com essa pessoa também é muito importante para quem quer saber como cuidar de um idoso.

Teleassistência

A Teleassistência é um serviço que garante muito mais segurança e autonomia a idosos que ficam sozinhos durante parte do dia ou até mesmo o dia todo.

O idoso fica com um aparelho de monitoramento, que contém um botão de emergência. Caso esteja em uma situação de risco, ele aciona este botão,. e a ≥  central de monitoramento é notificada. Essa central, que é altamente qualificada para atendimentos emergenciais, avalia se na situação a melhor solução é orientar o usuário, acionar a família ou chamar uma ambulância, por exemplo.

Esse tipo de assistência reduz muito o tempo de atendimento às emergências dos idosos, o que pode reduzir sequelas ou até mesmo salvar a vida deles.  Estudos mostram que quando a emergência é atendida em menos de uma hora, as taxas de sobrevivência são seis vezes maiores. Ou seja, essa alternativa é uma forma muito eficiente de como cuidar de um idoso.

Conforme vimos ao longo deste artigo, existem bons recursos e alternativas que favorecem o contato com os idosos nos cuidados à distância, bem como soluções tecnológicas que aumentam a segurança e independência de quem está na terceira idade.


Continue Reading