Autoestima na terceira idade

Talvez passe despercebido para quem ainda não chegou nessa fase da vida, mas envelhecer costuma ser uma etapa bastante complicada.  O corpo já não tem o mesmo vigor de antes e chega o momento em que é necessário colocar o pé no freio e encarar as mudanças e limitações impostas pela nova condição. Essas questões acabam afetando a autoestima do idoso

É comum e até natural que ele se sinta inútil, se incomode com a própria aparência e sinta que é um “peso” para as pessoas que o cercam. Por isso, é papel da família priorizar não só a segurança e a saúde, mas também o seu bem-estar e qualidade de vida. 

Mudanças na rotina podem ser positivas

É preciso que o idoso e todos à sua volta tenham consciência de que não é porque ele está envelhecendo que deixará de tomar decisões sobre a própria vida, salvo nos casos em que a pessoa esteja em alguma condição que não permita que isso aconteça, como ser portador de doença degenerativa, por exemplo. Os avanços da medicina e a adoção de hábitos mais  saudáveis permitem que idosos mantenham rotinas normais mesmo após a aposentadoria. O tempo livre pode ser preenchido com novos hobbies e atividades que antes eram deixadas de lado e agora podem receber total dedicação. É tudo uma questão de adaptação.

A perda da independência é um dos fatores que mais afetam a autoestima do idoso

Como se não bastassem todas as questões fisiológicas e psicológicas envolvidas no processo de envelhecimento, os idosos ainda precisam lidar com mudanças ambientais. Por razões de segurança, muitos acabam se mudando para a casa dos filhos ou para residências geriátricas. Outros precisam se acostumar com a presença de cuidadores, pessoas que não são da família e são uma presença muitas vezes indesejada no ambiente deles. Mudar a rotina de uma pessoa que viveu durante décadas acostumada com um ambiente nem sempre será a melhor solução. Muitos casos de depressão entre idosos estão relacionados justamente com essa questão. Mas e então, o que fazer?

Sistemas de emergência pessoal: Seu familiar idoso seguro no próprio lar

Se for a vontade do idoso, é possível sim considerar a possibilidade de mantê-lo morando sozinho na própria casa sem que isso seja um risco para ele. Hoje em dia já existem tecnologias assistivas que permitem que o idoso mantenha sua rotina de costume, sem interrupções, com a garantia de que, caso ocorra alguma emergência, ele estará amparado.

  O serviço conhecido como Vidafone fixo funciona através de um console  ligado à linha telefônica fixa e conectado a um botão SOS que o idoso usa como pulseira ou pingente. Quando acionado, o equipamento liga para uma central de atendimento 24h, onde um atendente especializado irá ampará-lo naquilo que for necessário. O sistema de emergência também conta com uma série de recursos e acessórios opcionais que trazem ainda mais segurança e tranquilidade para a sua família.

Para saber mais sobre o Vidafone fixo e demais serviços, acesse nossa página de contato clicando aqui. 

 

 

Compartilhar
Tire suas dúvidas