Idosos solitários são mais suscetíveis a problemas de saúde

Com o passar dos anos, especialmente após a aposentadoria, a vida anda num ritmo mais lento: Sobra tempo livre, o corpo já possui limitações que impedem a realização de certas atividades, filhos e netos têm suas próprias rotinas atarefadas, problemas de saúde, como a surdez, dificultam as interações… É muito comum que idosos se sintam sozinhos e fiquem desanimados e desesperançosos com a vida. É preciso estar muito atento a isso, já que a solidão costuma ser um dos principais fatores para o desencadeamento de quadros de depressão na terceira idade. 

Solidão tem efeitos graves na saúde do idoso

Segundo estudos, o isolamento social é capaz de elevar em até 14% as chances de morte entre os idosos. Além da depressão, a solidão pode elevar o nível dos hormônios do estresse, o que contribui para o aumento do risco de doenças cardíacas, diabetes, artrite e demência, entre outras. Isso ocorre porque as inflamações celulares causadas pelo estresse podem comprometer estruturas do organismo e interferir no sistema imunológico. Pesquisas afirmam que a solidão na terceira idade pode ser tão prejudicial quanto o tabagismo ou o alcoolismo. 

Em alguns casos, os problemas de saúde é que podem ser fatores determinantes para que os idosos fiquem isolados e se sintam solitários: Problemas de comunicação causados por distúrbios neurológicos ou mesmo pela surdez, comum nessa fase da vida, costumam afastá-los do convívio social. Dificuldades para se deslocar causadas por problemas nas articulações também contribuem para o isolamento. 

Cinco dicas para  afastar o sentimento de solidão na terceira idade

#1 Ter vida social ativa

Interagir com pessoas da mesma idade, fazer cursos, trabalhos voluntários, frequentar eventos, entre outras atividades, é imprescindível. Não contar apenas com a presença da família, tendo seus próprios compromissos, é uma ótima forma de evitar o isolamento. 

#2 Manter-se fisicamente ativo

Não é nenhuma novidade que a prática de exercícios físicos traz incontáveis benefícios para a saúde física e mental. Uma simples caminhada diária já é suficiente para estimular a liberação de hormônios como a endorfina e a serotonina, responsáveis pela sensação de bem estar. Além disso, é uma ótima oportunidade para interagir com outras pessoas. 

#3 Manter o cérebro ativo

Ocupar a cabeça também é indispensável para evitar a solidão. Ler, assistir documentários e programas na televisão, aprender novas atividades, como tocar um instrumento, uma nova língua, fazer artesanato, costurar, navegar na internet… evitar o ócio é muito importante para afastar o sentimento de solidão. 

#4 Praticar rituais

Práticas como a meditação, ou mesmo a oração, para os mais religiosos, são comprovadamente uma valiosa ferramenta para aprender a lidar com a vida e a realidade. Reflexões proporcionadas nesses momentos podem trazer mais qualidade de vida e bem estar. São também atividades que podem ser realizadas tanto individualmente quanto em grupo. 

#5 Aprender a curtir a própria companhia

Estar só não é sinônimo de solidão. Todas as pessoas precisam, em algum momento da vida, de um momento de privacidade. É essencial para desenvolver autoconhecimento e saber definir seus gostos e preferências. Realizar atividades sozinho, seja em casa ou fora dela, também é indispensável para a manutenção da saúde mental. Dessa forma, fica mais fácil de lidar com os inevitáveis momentos de isolamento.

Se a insegurança é uma limitação para que você realize atividades desacompanhado, saiba que hoje em dia existem tecnologias que permitem que você tenha uma rotina com autonomia  e independência sem abrir mão da segurança. Um dos produtos disponíveis é o VIDAFONE, um sistema de monitoramento pessoal que permite que o idoso tenha autonomia e independência com a garantia de que, caso aconteça um imprevisto, ele estará amparado. Saiba mais sobre o vidafone clicando aqui 

 

Compartilhar
Tire suas dúvidas